Você está olhando para o Dólmen de Soto, em Trigueros, na Espanha – e tudo bem você estar impressionado com ele. Esta tumba pré-histórica tem sido lar de rituais de vida e morte desde 4.200 a.C. e foi restaurada para retomar toda a sua glória pré-histórica.

Com 60 metros de diâmetro e 3,5 metros de altura, os visitantes passam por um corredor de 21 metros até chegar à câmara central, repleta de luz solar que entra por um portal. A maior entre as mais de 200 tumbas megalíticas na província de Huelva, a New Scientists explica suas origens:

As pedras que dão suporte ao interior do dólmen de Soto foram originalmente organizadas como um círculo de pedras neolíticas parecido com o Stonehenge, antes de serem reorganizadas nesta estrutura. Quando Don Armando de Soto descobriu em 1922, ele encontrou oito corpos, agachados próximos à parede e rodeados por utensílios de pedra, cerâmica e objetos de decoração.

Não se sinta mal caso você tenha pensado em Arquivo-X. É uma reação perfeitamente normal. [New Scientist]

Foto: Getty/AFP/Cristina Quicler/Gogo Lobato