Os funcionários da prefeitura de São Paulo já abandonaram os carros locados para andar de 99 e agora é a vez de alguns servidores do Estado de São Paulo pedirem seu transporte por aplicativo. A diferença é que eles vão de Cabify. A companhia ganhou a licitação do governo e fechou um contrato com valor estimado de pouco mais de R$ 1 milhão durante 12 meses, que pode ser renovado cinco vezes por mais 12, e, assim, substituirá a frota de carros do Estado gradativamente.

• Agora a Cabify também terá tarifa dinâmica
• Aplicativo Cabify se une à brasileira Easy para ampliar mercado na América Latina

A Cabify competiu com a 99, Cooperativa de Táxis União e Fuji Táxi e deu o menor lance de R$ 2,45 por quilômetro rodado. A estimativa do Estado é que sejam percorridos 36.550 quilômetros todos os meses pelos seus servidores e, assim, devem reduzir em 25% a frota de veículos, das 7.375 unidades atuais para 5.509 unidades. Boa parte dos 1.866 automóveis a menos serão leiloados, mais precisamente 1.479 deles – o governo espera economizar R$ 35,1 milhões em despesas com combustíveis e manutenção, além da arrecadação de cerca de R$ 11,3 milhões com o leilão. A economia anual exata, no entanto, não está tão clara.

Segundo a Cabify, o modelo de corridas começará a ser testado por quatro secretarias estaduais em até quatro semanas e depois será estendido a toda a administração estadual. No edital, a relação de prováveis origens e destinos lista 78 locais, 74 deles na capital, os outros quatro se dividem entre Guarulhos (2), Taboão da Serra e Franco da Rocha.

A comparação direta dos valores com as tarifas praticada com usuários comuns não é possível, já que o contrato com o Estado tem um valor fixo de quilometragem e não leva em consideração a bandeirada, nem a minutagem – fora que os valores praticados varia de cidade para cidade.

Mas se levássemos em consideração a cidade de São Paulo, o valor da quilometragem está abaixo do que é cobrado pelo táxi comum, que é de R$ 2,75 (na bandeira 1) ou R$ 3,57 (na bandeira 2). E se fossemos pedir um Cabify Lite, pagaríamos R$ 3 por quilômetro entre o trecho de 0 km a 6 km ou superiores a 25 km, e R$ 2 por quilômetro entre o trecho de o 6 km a 25 km do percurso. Novamente, esses valores são apenas da quilometragem, sem contar tempo e bandeirada.

Atualização 02/04 às 8h20: No texto original, a apresentação dos valores cobrados pelo Cabify estava equivocada. Há, na verdade, preços diferentes para cada faixa percorrida. Atualizamos o trecho para ficar mais claro.

Imagem: Agência Brasil/Flickr