Primeiro, a Giro Helmets gastou US$15.000 para criar uma réplica fiel do Lance Armstrong, o ciclista que venceu o Tour de France por sete vezes consecutivas. Só então eles começaram a desenvolver o capacete. Centenas de protótipos e de testes de túnel de vento depois, eles criaram o capacete mais aerodinâmico que existe.

O Lance Armstrong na vida real pode ser bem resistente, mas testar capacetes em túneis de vento não é nada legal. Além disso, ele meio que está ocupado sendo uma inspiração para outras pessoas, depois de ter vencido o câncer e criado uma fundação para estimular a pesquisa deste mal. (Lembra das pulseirinhas Livestrong? São da fundação Lance Armstrong.) Por isso o modelo do Lance foi criado, para a Giro testar centenas de modelos de capacetes e soprá-los com vento sem que o Lance de verdade precisasse estar lá. E um conceito se destacou:

[Um conceito] que tem uma cauda curta, que fica na área entre as escápulas de Armstrong. Com o vento vindo de frente, ele é ligeiramente mais rápido que os modelos anteriores da Giro, mas com o vento vindo de lado, ele é consideravelmente mais rápido – com resistência fluidodinâmica de 20 a 30 gramas menor. E o ciclista consegue se mover mais facilmente usando o capacete.

O Lance ganhou o Tour de France entre 1999 e 2005, mas ficou em terceiro lugar ano passado. Acho que  agora ele ganha de novo, com este capacete. Mas agora que o capacete está pronto, o que eles vão fazer com o modelo do Lance? [Wired]