Meca — a cidade sagrada que é local peregrinação islâmica há milênios — está sendo transformada na Disney. E o que a ajuda a completar a transformação? Este hotel de mais de 600 metros de altura, que funcionará como uma fortaleza bombada no meio do deserto, projetando um show de lasers verdes durante as noites.

Quatro helipontos se aglomeram no topo do que se tornará o maior hotel do mundo. A monstruosidade, que abrirá as portas em 2017, terá 10,000 quatros e 70 restaurantes, cinco andares exclusivos para a família real da Arábia Saudita, uma estação de ônibus, um shopping center e um salão de festas. Ele é tudo o que eu sonhava fazer no Sim Tower quando criança.

Exceto que ele se tornará real, desfigurando uma das cidades mais históricas do mundo no processo.

A megaestrutura será localizada a cerca de 1 km ao sul da Grande Mesquita, no distrito de Manafia. Ele é financiado pelo Ministro das Finanças da Arábia Saudita e projetado pelo conglomerado Dar Al-Handasah. Enquanto os governantes da Arábia Saudita dão suporte total ao projeto (afinal, tudo é bancado pelas contas reais e caso você não tenha lido, ele terá cinco andares dedicados inteiramente a eles), pessoas interessadas em proteger o legado das cidades sagradas da Arábia Saudita não têm muitas palavras gentis sobre o projeto. Conforme Irfan Al-Alawi, diretor do Islamic Heritage Research Foundation, disse ao The Guardian:

“A cidade está se tornando Mecca-hattan. Tudo é varrido para dar lugar a uma incessante marcha de hotéis de luxo, que destroem a santidade do lugar e expulsam peregrinos devido ao preço elevado.

Estes são os últimos dias da Meca. A peregrinação deveria ser uma um rito de passagem simples, mas se tornou uma experiência parecida com Las Vegas, que a maioria dos peregrinos não pode pagar”.

De acordo com o The Guardian, a cidade de Meca recebe cerca de 2 milhões de peregrinos para o Hajj anual, mas agora, essa viagem sagrada é tomada pela visitação de cerca de 20 milhões de turistas, que levam consigo mais de 9 bilhões de dólares anualmente. Caso você queira conhecer a cidade como ela um dia foi, é melhor visitá-la mais cedo do que tarde — a Grande Mesquita já é ofuscada por uma torre com relógio gigantesca, a casa da primeira esposa do profeta foi nivelada para abrir caminho a banheiros públicos, outro gigantesco prédio histórico dá agora lugar para um hotel Hilton e o centro da cidade está cercado de Starbucks. [The Guardian]