Uma das áreas que mais se beneficia da tecnologia e seus avanços é a medicina. Porém, enquanto pesquisadores se dedicam a questões complexas, é estranho pensar que os procedimentos mais triviais ainda mantêm os métodos tradicionais. Por exemplo, se já existem inteligências artificiais capazes de identificar doenças, porque ainda sofremos com procedimentos para tirar sangue porque uma pessoa não consegue achar sua veia?

Felizmente, pesquisadores de Rutgers e do Mount Sinai Hospital desenvolveram um robô capaz de enxergar através da pele e encontrar sua veia facilmente por meio de ultrassom. A máquina ainda realiza todo o trabalho de coleta de sangue e conta com um analisador por centrífuga.

Segundo o artigo, o robô é capaz de retirar sangue com sucesso em 97% das vezes de pessoas com veias de fácil acesso, atingindo uma taxa de sucesso geral de 87% para os 31 participantes do estudo. No entanto, conforme apontado por um usuário do Reddit, os humanos se saem melhor quando se trata de lidar com veias de difícil acesso.

Segundo comunicado da Universidade Rutgers, a punção venosa — ato de introduzir uma agulha para injetar medicamento ou extrair sangue — é um dos procedimentos clínicos mais comuns nos EUA, com mais de 1,4 bilhão de procedimentos feitos anualmente nos Estados Unidos. No entanto, 27% das vezes enfermeiros ou médicos erram o procedimento em pacientes com veias difíceis de serem localizadas.

O problema da punção venosa dar errado é que aumenta a possibilidade de flebite (uma inflamação na veia), trombose e outros tios de infecções. Sem contar que a repetição do procedimento pode exigir que o profissional de saúde realize o procedimento em veias maiores ou artérias, o que representa um risco ainda maior.

Os pesquisadores afirmam que o robô é apenas um protótipo, e o objetivo é aumentar sua taxa de sucesso para que, um dia, ele possa ser utilizado para procedimentos como cateterismo intravenoso e diálise.

[Engadget]