As definições de malandragem foram atualizadas. Isso porque dois estudantes de engenharia parecem ter conseguido enganar a Apple e ganhar milhares de dólares. É difícil dizer se os caras eram muito inteligentes ou se a Apple foi mal na prevenção ao golpe aplicado.

Yangyang Zhou e Quan Jiang, dois estudantes de engenharia no Oregon, aparentemente trouxeram da Ásia milhares de iPhones falsos para os Estados Unidos e levaram os aparelhos à Apple pedindo troca por garantia, pois os dispositivos não ligavam.

Em muitas ocasiões, isso deu certo e eles conseguiam telefones verdadeiros em troca. Os estudantes, então, enviavam os aparelhos genuínos para amigos e parentes em outros países em troca de uma porcentagem de lucro na operação.

Os promotores dizem que 3.069 iPhones foram submetidos à troca por garantia da Apple, dos quais 1.493 resultaram em trocas de aparelhos. Dado que a Apple calcula para essas perdas uma taxa padrão de US$ 600 por telefone, o prejuízo total foi de US$ 895.800.

O resto dos 1.576 iPhones foram rejeitados por adulteração, e a Apple supostamente enviou de volta os aparelhos falsos com cartas explicando por que a solicitação de garantia foi negada.

Isso meio que coloca a defesa dos estudantes em maus lençóis, pois eles alegam que não sabiam que os telefones em questão eram falsos.

Agentes federais começaram a investigar este golpe de celulares falsos em 2017, e a Alfândega dos EUA apreendeu mais de cinco lotes de aparelhos piratas vindos da China com destino a Zhou e Jiang.

Além disso, os documentos mostram que a polícia encontrou 300 iPhones falsos, além de registros de venda e vários registros de pedido de garantia na casa de Jiang. A polícia também descobriu pelo menos quatro caixas postais associadas a Zhou e em uma delas foi encontrado um pacote com 25 iPhones falsos. Os investigadores também citam os próprios dados da Apple, que detalhou 16 pedidos de troca por garantia endereçadas a Zhou, em seu próprio endereço postal.

Consultamos a Apple e os advogados dos estudantes, mas nenhum deles retornou o contato.

Jiang está sendo processado por tráfico de produtos falsificados e fraude eletrônica. Isso significa que ele pode enfrentar multas de até US$ 2 milhões e 10 anos de prisão, ou ambos, no caso da acusação de falsificação. Ele também pode enfrentar uma multa ainda não especificada e mais 20 anos de prisão por fraude eletrônica.

Enquanto isso, Zhou está sendo acusado por “submeter informações falsas ou enganosas sobre declaração de exportação”. Isso também vem com uma multa de US$ 10 mil, ou cinco anos de prisão, ou as duas punições.

Olha, a pessoa tem que ter bastante cara de pau para fazer um esquema fraudulento com essa escala. Talvez Zhou e Jiang pudessem ter pensado em seguir uma carreira em advocacia, não? Pelo menos lá, a experiência com a Justiça deve contar alguns créditos.

[Corte Distrital dos EUA via Cnet]