Crianças que roem unha e chupam o dedo desenvolvem menos alergias do que as outras

Estudo feito com mais de 1.000 pessoas mostrou que alguns hábitos nojentos podem ser até benéficos para crianças - não significa que devam ser incentivados, no entanto.

Pais já podem parar de se preocupar um pouco com alguns hábitos nojentos dos filhos. Uma análise feita em mais de 1.000 crianças entre 5 e 11 anos mostrou que os roedores de unha e chupadores de dedo são menos propensos a desenvolver alergias durante a vida.

Um novo estudo publicado no Pediatrics mostra que crianças com esses hábitos têm menos chances de desenvolver alergias a ácaros, grama, gatos, cães ou fungos do ar. É mais uma evidência que dá apoio à chamada “hipótese da higiene” que sugere que uma infância exposta a microrganismos e outros males altera a função imunitária, resultando na diminuição do risco do desenvolvimento de alergias.

“Não recomendamos que esses hábitos sejam incentivados, mas parece haver um lado positivo neles”, diz o coautor do estudo Malcom Sears da Universidade McMaster, no Canadá, em um comunicado.

Para o estudo, os pesquisadores usaram dados do Dunedin Multidisciplinary Study, um estudo em andamento que acompanha o desenvolvimento de 1.037 participantes nascidos em Dunedin, na Nova Zelândia, entre 1972 e 1973. Quando o estudo começou, os pais relataram os hábitos de roer unha e chupar o dedo dos filhos que tinham 5, 7, 9 e 11 anos de idade. Quando essas crianças completaram 13, e depois 32 anos, elas foram testadas em relação à sensibilização atópica, um teste de pele que detecta a sensibilidade a ao menos um alérgeno comum.

Pouco menos de um terço de todas as crianças envolvidas no estudo eram roedoras frequentes de unha ou chupadoras de dedo. Quando chegaram à adolescência, metade delas mostrava algum tipo de sensibilização atópica – então com hábitos orais ou não, metade dessas crianças desenvolviam um tipo de alergia. Mas as que tinham um hábito oral viam as chances de desenvolver uma alergia cair a 40%. E para as com ambos os hábitos, esse número caiu para 31%. É um número significativo.

Essa tendência se provou verdadeira na vida adulta, e não foi alterada por fatores como fumantes dentro de casa, cães e gatos, exposição a ácaros ou amamentação. E esse estudo não encontrou ligações entre roer unha e chupar dedo e o surgimento de asma ou rinite alérgica.

Hábitos orais como chupar o dedo ou roer unha provavelmente fornecem um canal através do qual microrganismos conseguem entrar no corpo, especialmente na infância e juventude. Mas seria um erro expor deliberadamente nossas crianças a esses patógenos, o que poderia levá-las a diversas doenças diferentes. Além disso, os autores do estudo não sugerem que as crianças devam ser incentivadas a adotar essas práticas, dizendo que não há nenhuma evidência conclusiva de que elas sejam benéficas à saúde.

De um modo semelhante, outros estudos anteriores mostraram que a maioria das alergias do amendoim podem ser evitadas ao não evitar dar amendoim a crianças com menos de três anos. Faz bastante sentido, se pensarmos bem. Uma reação alérgica é basicamente o sistema imunológico do corpo ficando louco quando detecta um agente externo potencialmente perigoso. Ao “treinar” o sistema imunológico nos primeiros anos de vida a reconhecer certas substâncias como inofensivas – sejam micróbios benignos ou o amendoim – podemos conseguir reduzir as chances do desenvolvimento de alergias no futuro.

[Pediatrics]

Foto: Shutterstock

Sair da versão mobile