Atualização: o autor do estudo disse que vai revisar os resultados após ter tido contato com funcionários da Uber. O economista chefe da empresa, inclusive, publicou um artigo apontando possíveis problemas no levantamento, sobretudo no quanto que os motoristas ganham. 

Abaixo, segue o post na íntegra:

Desde que assumiu a Uber como CEO, Dara Khosrowshahi tem falado bastante em “fazer a coisa certa” na empresa, e de como ele tem mudado a cultura tóxica da companhia. Um novo estudo conduzido por pesquisadores do MIT pode ter adicionado mais um item para a lista de problemas a serem resolvidos. Segundo o levantamento, 74% dos motoristas ganham menos que um salário mínimo nos EUA e muitos estão mais perdendo dinheiro que ganhando.

Bêbado dorme no Uber, acorda em outro estado e paga mais de R$ 5.000 por corrida
Os truques psicológicos do Uber para manter os motoristas a serviço de seu interesse

O estudo preliminar conduzido pelo Centro para Energia e Política Ambiental do MIT comparou uma pesquisa com 1.100 motoristas da Uber e do Lyft com “informações detalhadas de custo do veículo” e concluíram que 30% da força de trabalho, na verdade, está pagando para trabalhar após considerar as despesas com o carro. De modo geral, o lucro dos motoristas é de US$ 3,37 por hora, sem considerar impostos.

Os pesquisadores usaram dados da Edmunds, Kelly Blue Book e Agência de Proteção Ambiental para determinar o custo de seguro, manutenção, combustível e depreciação de diferentes modelos de veículos. Ao cruzar essas informações com o que os motoristas dizem ganhar e os carros que usam, os resultados foram desanimadores.

Stephen Zoepf, um dos coautores do estudo, disse ao The Guardian que “é bem possível que motoristas não percebam o quanto estão gastando”. Ele ainda disse que muitos motoristas estão pegando dinheiro emprestado baseado no valor de seus carros e subsidiando a operação de empresas de transporte ao trabalhar por baixos salários. Quando você combina este subsídio com os bilhões captados de investidores que as empresas perdem a cada ano, Zoepf conclui que “este modelo de negócio não é sustentável”.

Segundo o estudo, 74% dos motoristas estão ganhando menos que o salário mínimo oferecido em seus estados, quando os custos são incluídos, com um faturamento médio de US$ 661 por mês.

Para quem está interessado em se tornar motorista, estes dados podem ser bem desanimadores. Quem já está nessa deveria prestar mais atenção na informação de que o lucro médio é de aproximadamente US$ 0,29 por quilômetro.

Os autores do estudo preliminar disseram que os motoristas podem possivelmente se aproveitar de um desconto do imposto de renda dos EUA por distância percorrida acima de US$ 0,54 e solicitar uma redução de tributos. Então enquanto os apps de transporte perdem bilhões de dólares, bilhões de dólares podem estar erradamente sendo cobrados dos motoristas. Enquanto isso, outro estudo recente diz que essas companhias têm contribuído significantemente para o aumento do tráfego.

Questionada sobre o estudo, a Uber disse o seguinte ao The Guardian:

Embora o estudo chame atenção, sua metodologia e suas conclusões contêm muitas falhas. Nós entramos em contato com os autores do estudo para compartilhar nossas preocupações e sugerir formas na qual podemos trabalhar juntos para refinar a abordagem deles.

Um porta-voz do Lyft nos disse que: “motoristas são parte integral do sucesso da empresa. Um número crescente de indivíduos tem usado o Lyft como uma forma flexível de ganhar um dinheiro a mais. E nós vamos continuar a engajar nossa comunidade de motoristas para ajudá-los a ter sucesso. Nós ainda não examinamos o estudo, mas uma análise inicial mostra algumas conclusões questionáveis.”

É importante notar que outros estudos já reportaram uma grana maior obtida por hora usando diferentes metodologias. Nós pedimos que a Uber se pronuncie sobre ocaso e que exponha os problemas que eles têm com a metodologia do MIT, e nós vamos atualizar o post, caso eles o façam.

No ano passado, a Uber disse que a FTC (Comissão Federal de Comércio) enganou os motoristas sobre a renda que eles poderiam obter trabalhando na plataforma. O Gizmodo obteve uma carta enviada pelos advogados da Uber ao órgão no qual eles argumentam que os motoristas estavam ganhando menos que o mostrado em propagandas da companhia, pois eles não estavam trabalhando o suficiente. No início do mês, no entanto, o Uber implementou um período obrigatório de descanso para os motoristas que trabalham mais de 12 horas.

O fato é que mesmo se os motoristas de apps de transporte ganharem o dobro do que o estudo do MIT diz, eles provavelmente ganhariam menos do que o padrão nos Estados Unidos.

[MIT via The Guardian; o estudo completo pode se acessado aqui]

Foto do topo: Getty Images