Um estudo alarmante que colocou mais lenha na fogueira sobre um recente experimento genético controverso na China foi invalidado. O estudo, que sugeria que uma mutação induzida pelo cientista chinês He Jiankui em bebês humanos poderia encurtar suas vidas, foi derrubado no final da semana passada, depois que outros pesquisadores não conseguiram encontrar resultados semelhantes e os autores do estudo admitiram uma falha em seu design.

Em novembro de 2018, He Jiankui anunciou que havia usado com sucesso a tecnologia de edição de genes CRISPR em um par de embriões gêmeos, projetando-os para nascer com um gene CCR5 mutado em suas células imunológicas. A mudança, disse ele, pretendia torná-los resistentes à infecção por HIV.

Porém, ele foi duramente criticado por colegas e bioeticistas por seu experimento, que aparentemente foi conduzido com pouca supervisão e com falhas profundas. Entre outras coisas, ele não conseguiu criar a mutação CCR5 necessária nos dois genes de uma garota, o que significa que ela ainda estaria vulnerável ao HIV, e nem a mutação protege contra todas as variedades do vírus.

Em junho de 2019, Xinzhu Wei e Rasmus Nielsen, pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley, realizaram pesquisas adicionais ao experimento de He. Embora se pense que as pessoas naturalmente nascidas com a mutação específica do CCR5, chamada delta-32, têm uma vida perfeitamente saudável, alguns estudos sugerem que ela pode diminuir a expectativa de vida, possivelmente aumentando o risco de outras infecções, como a gripe.

O estudo de Nielsen e Wei, publicado na revista Nature Medicine em junho, estudou dados populacionais e descobriu que pessoas com ambas as cópias com a mutação delta-32 do CCR5 tinham 21% menos probabilidade de atingir os 76 anos de idade.

Os resultados estimularam outros cientistas a fazer seu próprio trabalho, que rapidamente identificaram algumas possíveis discrepâncias. Duas dessas equipes – uma que incluía Nielsen e Wei – chegaram à conclusão de que eles subestimaram o número de pessoas com a mutação delta-32 do CCR5 em sua amostra de residentes do Reino Unido.

Depois que eles executaram os números corretamente, não foi encontrada nenhuma relação entre uma vida útil mais curta e o delta-32 do CCR5; uma análise semelhante feita com diferentes populações na Finlândia e na Islândia também não conseguiu estabelecer nenhuma conexão.

Embora esses estudos ainda não tenham sido formalmente publicados ou revisados ​​por pares, Nielsen e sua equipe solicitaram que o estudo original fosse retirado no final da semana passada.

“Sinto que tenho a responsabilidade de esclarecer as coisas para o público”, disse Nielsen à Nature News.

A retirada não torna o experimento de He menos antiético ou perigoso, é claro. Ainda há a chance de que algo tenha dado errado durante o processo de edição de genes que causou alterações fora do alvo em qualquer um dos genes dos bebês gêmeos. Até o momento, não houve declarações públicas dos pais dos bebês, nem outros cientistas tiveram a oportunidade de estudar os dados brutos coletados por He, que desapareceu de vista desde a sua divulgação pública dos resultados em novembro passado. Ele parece ainda estar sob custódia do governo chinês.

Na verdade, esse episódio serve de lição para explicar por que a ciência deve ser divulgada, para que outros especialistas possam avaliar métodos e a ética envolvida de forma independente.