Parte de evitar doenças cardíacas pode envolver escovar os dentes, sugere um estudo publicado esta semana. Pesquisadores na Coréia descobriram uma ligação clara entre saúde bucal e menor chance de irregularidades cardíacas e insuficiência cardíaca grave.

O estudo, publicado no domingo (1º) no European Journal of Preventive Cardiology, analisou os registros de saúde de mais de 150.000 coreanos de meia-idade a idosos que haviam participado de um programa de triagem anterior e não apresentavam doenças cardíacas pré-existentes. Como parte da triagem, os voluntários forneceram informações sobre seus hábitos de saúde bucal e tiveram seus dentes examinados por um dentista. Em seguida, os pesquisadores monitoraram a saúde cardíaca deles durante a década seguinte com base nos dados de seguro (na Coréia, a cobertura de saúde de todos é fornecida e gerenciada pelo governo).

Durante esse período, 3% dos voluntários experimentaram um caso de fibrilação atrial ou batimento cardíaco irregular, enquanto 4,9% apresentaram insuficiência cardíaca pelo menos uma vez. Mas, mesmo depois de considerar outros fatores conhecidos para doenças cardíacas, como idade, índice de massa corporal e histórico de tabagismo, os pesquisadores descobriram que pessoas que relataram uma melhor higiene bucal eram menos propensas a desenvolver esses problemas cardíacos.

Aqueles que escovavam os dentes pelo menos três vezes ao dia, por exemplo, tinham 12% menos chances de ter insuficiência cardíaca, e as pessoas que haviam perdido uma maioria substancial de seus dentes (22 dentes ou mais) tinham 35% mais chances de ter problemas cardíacos, após contabilizar outros fatores.

Esses tipos de estudos populacionais só podem apontar indiretamente para um elo entre duas coisas, e não mostrar diretamente que escovar os dentes o protegerá de doenças cardíacas. E vale ressaltar que o potencial impacto de uma boca saudável em seu coração provavelmente é relativamente pequeno: 4,17% das pessoas com doença gengival neste estudo desenvolveram insuficiência cardíaca, em comparação com 3,95% das pessoas sem doença gengival, por exemplo.

Mas esta não é a primeira pesquisa a estabelecer uma relação clara entre saúde bucal e cardíaca, um elo encontrado em diferentes populações em todo o mundo. Embora seus dentes e seu sistema cardíaco possam parecer não relacionados, na verdade existem razões para pensar que eles estão conectados.

Uma teoria comum, referenciada pelos autores, argumenta que a escovação frequente dos dentes impede que um biofilme de bactérias se acumule em nossas gengivas, o que diminui a chance dessas bactérias migrarem para a corrente sanguínea e causarem inflamação por todo o corpo. A inflamação crônica observada na doença gengival também pode enfraquecer indiretamente o corpo e o coração. E ambas as doenças cardíacas e de gengiva estão ligadas a fatores semelhantes de risco, como o tabagismo, envelhecimento e diabetes.

Organizações como a American Heart Association evitaram recomendar que as pessoas mantenham seus dentes saudáveis para prevenir doenças cardíacas, pelo menos até que tenhamos evidências mais conclusivas para uma ligação causal. Este estudo não fornece uma evidência concreta, mas já existem muitas boas razões para escovar os dentes regularmente e ir ao dentista, como manter os seus dentes nos próximos anos.