Esta semana, os 50 estados dos EUA abriram oficialmente a elegibilidade para a vacinação contra Covid-19 para todos os residentes adultos. Mas, embora milhões de norte-americanos ainda fazem fila para receber sua dose, os especialistas afirmam que o país está se aproximando rapidamente de um excedente de vacina, com poucas pessoas restantes em relação ao suprimento disponível. Uma vez que isso acontecer, ainda não sabemos se os EUA distribuirão suas vacinas indesejadas a países que precisam delas desesperadamente ou mesmo se lhes dará a oportunidade de fazer as suas próprias.

Na terça-feira (20), uma análise da Kaiser Family Foundation concluiu que os EUA chegarão a um ponto de inflexão na busca pela vacinação contra Covid-19 nas próximas duas a quatro semanas.

Atualmente, pouco mais de 50% dos adultos elegíveis receberam pelo menos uma dose da vacina. De acordo com a pesquisa mais recente da KFF no final de março, cerca de 61% dos adultos elegíveis foram vacinados ou estão definitivamente interessados ​​em ser vacinados. Mas ainda existe um contingente estável de norte-americanos — 10% a 15%, com base em várias pesquisas — que dizem abertamente que nunca receberão uma vacina por vontade própria. E mesmo no melhor cenário — onde metade das pessoas que ainda duvidam da vacina eventualmente mudam de ideia — levaria apenas 28 dias para que todos que desejam uma vacina a recebessem, estima a KFF.

Provavelmente ainda nesta semana, o país atingirá a meta estabelecida anteriormente pelo presidente Biden de administrar 200 milhões de doses nos primeiros 100 dias de sua presidência. E é provável que os níveis projetados de cobertura vacinal ainda sejam suficientes para reduzir drasticamente a propagação da pandemia e limitar as mortes e doenças graves causadas pela Covid-19, semelhante ao que aconteceu em países como o Reino Unido e Israel.

Mas os EUA podem não atingir a imunidade coletiva — níveis de cobertura vacinal e imunidade natural que protegeriam totalmente as pessoas que não podem ou não querem ser vacinadas de surtos localizados. Quando o interesse acabar, o suprimento de vacinas dos Estados Unidos também corre o risco de ser desperdiçado, mesmo que a maior parte do mundo continue não vacinada.

No início deste mês, a Vanity Fair relatou que as negociações dentro do governo Biden começaram sobre como os EUA doariam suas futuras doses indesejadas. Mas essas discussões foram suspensas porque o país continuou a ter níveis relativamente altos de novos casos e muitos especialistas temiam que surgisse um quarto pico da pandemia.

Desde então, embora alguns estados como Michigan tenham experimentado picos alarmantes de novos casos, os EUA como um todo permaneceram em um patamar precário. No entanto, não foram apenas os problemas locais que atrasaram esses esforços. Muitos dos contratos existentes do governo com fabricantes de vacinas — negociados pelo governo Trump — teriam que ser retrabalhados primeiro, uma vez que a linguagem atual parece impedi-los de dar doses excedentes a outros países.

Assine a newsletter do Gizmodo

Os EUA e outros países ricos, como membros da Organização Mundial do Comércio, também impediram as tentativas dos países mais pobres de garantir doses por meio de suspensões temporárias de patentes que lhes permitiriam produzir suas próprias vacinas localmente a um custo muito menor. E apesar dos recentes apelos de alguns legisladores para mudar a mente do governo e apoiar essas suspensões antes da próxima assembleia geral da OMC em maio, não está claro se os EUA o farão.

Todos esses contratempos e decisões intencionais poderiam deixar os EUA predominantemente, mas não totalmente, protegidos da pandemia, enquanto muitas das nações mais pobres do mundo permaneceriam desprotegidas até 2024, de acordo com algumas projeções recentes.