O governo dos Estados Unidos prometeu enviar 3 milhões de doses da vacina Johnson & Johnson, usada contra a Covid-19, para o Brasil amanhã, quinta-feira (24). As informações foram confirmadas pela jornalista Raquel Krähenbuhl, correspondente da Globo News em Washington, por meio do Twitter.  

A entrega é feita pelo esquema Covax Facility, um consórcio internacional sob supervisão da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (Gavi), que procura facilitar a distribuição de vacinas entre os países mais pobres ou que apresentam mais risco.

No começo da semana, os EUA já tinham anunciado que doariam 41 milhões de doses para Ásia, África e América Latina. Sendo, 16 milhões, 10 milhões e 14 milhões de doses respectivamente. 

Além do Brasil, os países da América Latina que devem se beneficiar com as vacinas são:  Argentina, Colômbia, Peru, Equador, Paraguai, Bolívia, Uruguai, Guatemala, El Salvador, Honduras, Haiti, República Dominicana, Panamá, Costa Rica e alguns países do Caribe.

As doses que devem chegar nesse lote de 3 milhões destinadas ao Brasil são conhecidas como ‘vacinas da Janssen’, que é um braço da Johnson & Johnson no mercado farmacêutico. Ela foi aprovada no Brasil pela Anvisa em março deste ano. Autorizado em 44 países, o imunizante está entre os 7 que foram regulamentados para uso no combate ao coronavírus pela OMS. 

Só essa entre as vacinas aprovadas contra a Covid-19 tem aplicação única, ou seja, não precisará de segunda dose. Apesar disso, a vacina da Janssen mostrou eficácia de 72% nos EUA. 

Assine a newsletter do Gizmodo

De acordo com a OMS, a aplicação de dose única deve facilitar a logística de vacinação em todos os países. O que é um fator relevante, se considerarmos que 4,4 milhões de pessoas deixaram de tomar a segunda dose dentro do prazo no Brasil. Nos resta torcer para que elas sejam aplicadas logo. 

[G1]