Um grande asteroide eliminou todos os dinossauros não aviários há 66 milhões de anos, mas esses animais ​​já estavam em declínio naquele momento, em um processo que começou 10 milhões de anos antes, de acordo com uma nova pesquisa. Os paleontólogos já fizeram afirmações semelhantes anteriormente, mas o novo estudo apresenta um caso convincente, ao mesmo tempo que fornece uma explicação para o que aconteceu.

Os dinossauros dominaram os ecossistemas do mundo até o período Cretáceo Superior, mas o artigo, publicado na Nature Communications, argumenta que um aumento significativo nas taxas de extinção, combinado com a incapacidade de substituir as espécies perdidas, fez com que eles diminuíssem muito antes do asteroide de 10 quilômetros de largura atingir a região de Chicxulub, perto do que hoje é o México.

“Nossos resultados embasam a hipótese de que mudanças ambientais de longo prazo levaram à reestruturação dos ecossistemas terrestres que tornaram os dinossauros particularmente propensos à extinção”, escreveram os paleontólogos, liderados por Fabien Condamine do Instituto de Ciência Evolutiva de Montpellier da Universidade de Montpellier.

Na verdade, essa afirmação já havia sido feita antes, mas é difícil de provar, dadas as incertezas relacionadas com a datação dos fósseis, efeitos seletivos relacionados com a sua disponibilidade e deficiências nos modelos evolutivos, entre outras preocupações.

Para a nova análise, a equipe fez uma abordagem abrangente, na qual examinou mais de 1,6 mil fósseis, datados de 150 milhões a 66 milhões de anos atrás. O objetivo era medir a taxa de extinção e a taxa de surgimento de novas espécies. Seis famílias de dinossauros principais e globalmente distribuídas foram incluídas: Ankylosauridae, Ceratopsidae, Hadrosauridae, Dromaeosauridae, Troodontidae e Tyrannosauridae.

“Tenho colecionado dinossauros na América do Norte, Mongólia, China e outras áreas há algum tempo, e tenho visto grandes melhorias em nosso conhecimento sobre as idades das formações rochosas que os carregam”, Phil Currie, co-autor do estudo e paleontólogo da Universidade de Edmonton, disse em um comunicado. “Isso significa que os dados estão cada vez melhores. O declínio dos dinossauros em seus últimos dez milhões de anos faz sentido e, de fato, esta é a parte mais bem amostrada de seu registro fóssil, como mostra nosso estudo.”

A equipe aplicou uma técnica de modelagem estatística aos dados para atenuar as incertezas. Os vários modelos foram executados milhões de vezes (sim, milhões) para eliminar erros e, o que é mais importante, para identificar os padrões mais prováveis. Um sinal nos dados começou a aparecer a partir de 76 milhões de anos atrás, indicando o início de um declínio persistente nos dinossauros não-aviários. Em todos os casos, “encontramos evidências do declínio antes do impacto [do asteroide]”, disse Guillaume Guinot, coautor do estudo e pesquisador da Universidade de Montpellier.

A queda foi associada à extinção de espécies mais antigas e bem estabelecidas. Parece que os dinossauros lutaram para se diversificar e que a novidade evolucionária era cada vez mais difícil de encontrar. Grande parte do problema tinha a ver com o surgimento da família Hadrosauridae, um grupo que incluía dinossauros com bico de pato; esses animais superaram outros herbívoros, resultando em uma falta de diversidade, de acordo com a nova pesquisa. Eles também tiveram que enfrentar o resfriamento da Terra, um processo que começou há cerca de 100 milhões de anos.

“Ficou evidente que havia dois fatores principais, primeiro que os climas gerais estavam ficando mais frios, e isso tornou a vida mais difícil para os dinossauros, que provavelmente dependiam de temperaturas quentes”, disse Mike Benton, coautor do artigo. “Então, a perda de herbívoros tornou os ecossistemas instáveis ​​e sujeitos a uma cascata de extinção. Também descobrimos que as espécies de dinossauros de vida mais longa eram mais sujeitas à extinção, talvez refletindo que eles não poderiam se adaptar às novas condições na Terra.”

Ao que Guinot acrescentou: “[Ficou] claro que as espécies herbívoras tendiam a desaparecer primeiro, e isso tornou os ecossistemas de dinossauros mais recentes instáveis ​​e sujeitos a entrar em colapso se as condições ambientais se tornassem prejudiciais.”

Assine a newsletter do Gizmodo

Como os cientistas concluem em seu artigo, a eventual extinção de dinossauros não-aviários “não pode ser atribuída exclusivamente” à extinção em massa induzida por asteroides, uma vez que processos de longo prazo já estavam em andamento. Os cientistas admitem que as seis famílias de dinossauros estudadas, embora bem representadas no registro fóssil, não fornecem “um quadro completo da dinâmica de diversificação global para todos os dinossauros”, mas o novo estudo representa um “passo à frente em nossa compreensão do causas da extinção”. Mais evidências fósseis serão necessárias para esclarecer e apoiar a nova análise.

Este estudo apresenta um cenário fascinante de declínio e responde a uma questão persistente: e se o asteroide nunca matasse os dinossauros? Talvez nunca saibamos a resposta, mas como o novo estudo deixa claro, as coisas nunca mais seriam as mesmas, com ou sem aquele fatídico evento.