O Departamento de Justiça dos EUA (DOJ) anunciou na quarta-feira (6) acusações contra dois ex-funcionários do Twitter de espionarem em nome da Arábia Saudita, informou o Washington Post.

Os ex-funcionários, Ahmad Abouammo, um cidadão dos EUA, e Ali Alzabarah, que é cidadão saudita, teriam acessado as informações privadas dos usuários do Twitter a pedido de uma autoridade saudita muito próxima ao príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman.

Um terceiro indivíduo, Ahmed Almutairi, também cidadão saudita, é acusado de atuar como “intermediário” entre Alzabarah e o oficial saudita e também foi acusado de espionagem.

De acordo com uma denúncia apresentada no Tribunal Distrital dos EUA em San Francisco e publicada pelo Post, o oficial saudita provavelmente é Bader Al Asaker, que operou uma instituição de caridade pertencente a Bin Salman, a quem a CIA vinculou ao assassinato do ano passado do colunista do Washington Post Jamal Khashoggi.

Em um comunicado ao Gizmodo, um porta-voz do Twitter disse que a empresa reconhece o quão longe maus atores podem ir na tentativa de prejudicar seu serviço. “Nossa empresa limita o acesso a informações confidenciais da conta a um grupo limitado de funcionários treinados e examinados cuidadosamente”, disseram eles.

O porta-voz acrescentou: “Nós entendemos os riscos inacreditáveis enfrentados por muitos que usam o Twitter para compartilhar suas perspectivas com o mundo e responsabilizar aqueles que estão no poder. Temos ferramentas para proteger sua privacidade e sua capacidade de realizar esse trabalho vital. Temos o compromisso de proteger aqueles que usam nosso serviço para defender a igualdade, as liberdades individuais e os direitos humanos”.

De acordo com a denúncia, Asaker começou a se aproximar de funcionários do Twitter com o objetivo de obter informações de usuários particulares em nome do governo saudita que, de outra forma, não poderiam fazer em outros lugares. Os alvos, diz ele, eram críticos da família real saudita.

Abouammo trabalhou no Twitter entre novembro de 2013 e maio de 2015 em parcerias de mídia no Oriente Médio e Norte da África. Abouammo se encontrou com Asaker, de acordo com a denúncia, em várias ocasiões, uma vez enquanto liderava uma visita ao escritório do Twitter em San Francisco para um grupo dos chamados “empresários” sauditas.

Abouammo, que também foi acusado de falsificar uma fatura entregue ao FBI, teria conversado mais tarde com Asaker por telefone e se encontrado com ele em Londres em 2014, onde recebeu um relógio caro, avaliado em cerca de US$ 20.000. Mais tarde, ele tentou vender o relógio no Craigslist, um serviço de classificados dos EUA, diz a denúncia.

Aproximadamente uma semana após a reunião em Londres, Abouammo supostamente começou a acessar o endereço de e-mail privado e o número de telefone de um “crítico proeminente” da família real saudita com mais de 1 milhão de seguidores.

A denúncia diz que, no total, Abouammo recebeu cerca de US$ 300.000 de Asaker.

Alzabarah, enquanto isso, teria acessado os dados de mais de 6.000 usuários do Twitter, incluindo pelo menos 33 nomes para os quais a polícia da Arábia Saudita enviou solicitações de divulgação de emergência ao Twitter, de acordo com a denúncia.

Alzabarah supostamente entrou nos EUA com uma bolsa de estudos e obteve diplomas em ciência da computação antes de ser contratado como engenheiro no Twitter entre agosto de 2013 e dezembro de 2015.

Almutairi, que supostamente atuou como intermediário da Asaker, controlava uma empresa saudita de marketing de rede social que trabalhava em nome da instituição de caridade pertencente ao príncipe herdeiro e membros da família real saudita. Ele teria viajado para os EUA em agosto de 2014 para estudar inglês e deixou o país em maio de 2015.

Segundo o Post, uma das contas acessadas por Alzabarah pertencia a Omar Abdulaziz, um destacado dissidente saudita que teria visto Khashoggi como uma “figura paterna“.

[The Washington Post]