Não apenas o exército dos EUA quer criar uma armadura do Homem de Ferro como também quer dar aos seus soldados os mesmos poderes de auto-regeneração do Wolverine, o super-herói da Marvel que consegue acelerar a cura de ferimentos e doenças crônicas. A DARPA chama o projeto de ElectRx. A descrição dada por eles é fascinante:

ElectRx (pronuncia-se “electrics”) visa desenvolver novas tecnologias de alta precisão e minimamente invasivas de modulação de circuitos nervosos para restaurar e manter a saúde humana. A tecnologia ElectRx também pode ajudar a acelerar pesquisa científica voltada para atingir um entendimento mais completo da estrutura e funcionamento de circuitos neurais específicos envolvidos em funções do sistema imunológico, oferecendo uma nova esperança para o tratamento de uma gama de doenças inflamatórias, incluindo artrite reumatoide, síndrome da resposta inflamatória sistêmica e doença inflamatória intestinal. O ElectRx também pode ajudar a melhorar tratamentos estimulantes periféricos para doenças de saúde mental e cerebral, como epilepsia, traumatismo crânio-encefálico, transtorno de estresse pós-traumático e depressão.



De acordo com a DARPA, esse dispositivos vão acelerar a recuperação de pacientes ao modular sinalização nervosa e monitorar constantemente a resposta do paciente ao tratamento. O gerente de programa da DARPA, Doug Weber, diz que “a tecnologia que a DARPA planeja desenvolver através do programa ElectRx pode mudar fundamentalmente a maneira como médicos diagnosticam, monitoram e tratam ferimentos e doenças.”

Em vez de depender apenas de medicamentos – nós visualizamos um sistema de loop fechado que trabalharia em parceria como um pequeno marca-passo inteligente. Ele avaliaria continuamente as condições e proporcionaria padrões de estímulos sob medida para ajudar a manter a função do órgão saudável, ajudando pacientes a se recuperarem e ficarem saudáveis usando os sistemas do próprio corpo.

Divulgação

Como o blog oficial de ciência do Departamento de Defesa dos EUA diz, o conceito não é novo. Já existem dispositivos que usam neuromodulação para tratar alguns casos como doenças inflamatórias crônicas, mas eles produzem efeitos colaterais devido a imprecisões, além de serem grandes de mais para uso em campo e exigirem implantes cirúrgicos. A DARPA diz que o ElectRx “visa a criar dispositivos ultraminiaturizados, com aproximadamente o mesmo tamanho de fibras nervosas individuais, o que exigiria procedimentos mínimos de inserção como injeção através de agulha.”

Claro, não esperamos que esses dispositivos fechem um buraco de bala milagrosamente. Por enquanto, eles visam a acelerar cura e solucionar doenças crônicas. Mas certamente é um passo para uma medicina bem avançada para o futuro do planeta.