O Facebook anunciou nesta terça-feira (2) que desativará o sistema de reconhecimento facial das imagens na rede social. O recurso é utilizado desde 2010 e identifica automaticamente os usuários em fotos e vídeo.

A medida tem como objetivo eliminar as preocupações relacionadas à privacidade da sociedade sobre o uso dessa tecnologia e atinge mais de 1 bilhão de usuários.

Jerome Pesenti, vice-presidente de inteligência artificial do Meta, novo nome do Facebook anunciado na semana passada, explicou que “os reguladores ainda estão em processo de fornecer um conjunto claro de regras que regem seu uso. Em meio a essa incerteza contínua, acreditamos que é apropriado limitar o uso do reconhecimento facial a um conjunto restrito de casos de uso”.

O software de reconhecimento facial sugere que os rostos sejam “marcados” por meio de um clique para a identificação automática dos usuários que aparecem nos álbuns de fotografias da rede social.

Essa decisão da maior plataforma de mídia social do mundo acontece no momento em que a indústria de tecnologia enfrenta críticas, de que a tecnologia pode identificar falsamente pessoas negras como autoras de crimes e favorecer rostos brancos.

Segundo o Facebook, a tecnologia agora será limitada a certos serviços, como ajudar as pessoas a obter acesso a suas contas bloqueadas ou desbloquear um dispositivo pessoal.

Assine a newsletter do Gizmodo

A empresa de Mark Zuckerberg ainda acrescentou que sua ferramenta automática de texto alternativo, que cria descrições de imagens para pessoas com deficiência visual, não incluirá mais os nomes de pessoas reconhecidas nas fotos após a remoção do reconhecimento de rosto, mas funcionará normalmente.

A remoção será implementada globalmente e deve ser concluída até dezembro, disse um porta-voz do Facebook.