O Facebook está investindo em pesquisas com inteligência artificial para um fim que pode soar esquisito: as mentes brilhantes da rede social querem desenvolver um software capaz de analisar as suas atualizações de status e avisá-lo quando você estiver prestes a enviar uma foto potencialmente embaraçosa. Dito de outra forma, o Facebook quer impedi-lo de publicar selfies bêbado.

Tem uma galera que realmente se arrepende de publicar selfies quando toma umas a mais, mas a maioria dos usuários provavelmente não gostaria de viver em uma realidade distópica onde os robôs do Facebook tentam censurar seu conteúdo. O ramo da pesquisa em IA que permitiria esse tipo de funcionalidade é conhecido como “deep learning”. É uma área empolgante! Porém, as ideias do Facebook sobre como usar a tecnologia de deep learning parecem um pouco desajustadas.

“Imagine que você tenha um assistente digital inteligente que mediaria suas interações com seus amigos e também o conteúdo publicado no Facebook,” disse à Wired recentemente Yann LeCun, pioneiro na pesquisa em deep learning e chefe do laboratório em Pesquisas de Inteligência Artificial do Facebook. LeCun também sugeriu que o Facebook talvez aplique a tecnologia de deep learning ao Oculus Rift. “Você precisa de uma máquina que realmente entenda o conteúdo, as pessoas e que seja capaz de lidar com todos esses dados,” disse. “Esse é um problema totalmente de IA.”

Precisamos mesmo de uma máquina que nos entenda? Isso parece muito com o pior pesadelo de Stephen Hawking, onde a IA destrói os humanos como nos conhecemos. Num nível mais básico, você gostaria que o Facebook te policiasse?