Para evitar uma potencial repetição do violento ataque ao Capitólio dos EUA, o Facebook vai impedir os usuários de criarem novos eventos nas proximidades da Casa Branca, do Capitólio dos Estados Unidos e de quaisquer edifícios do Capitólio do estado durante a posse do presidente eleito Joe Biden em 20 de janeiro. A rede social também vai restringir recursos para usuários dos EUA com base em certos indicadores, como violações repetidas de políticas.

Essas medidas têm o objetivo de impedir que as pessoas usem a plataforma para incitar a violência, disse o Facebook na sexta-feira em um post atualizado no blog da empresa. As redes sociais desempenharam um papel fundamental na organização do ataque de 6 de janeiro ao Capitólio, com os insurgentes pró-Trump utilizando a rede social Parler, centrada na “liberdade de expressão”, o aplicativo de bate-papo Telegram, o aplicativo de walkie-talkie Zello, entre outras plataformas online para coordenar o cerco.

O Facebook diz que vai impedir contas e páginas localizadas fora dos EUA de criar eventos dentro do país também, como fez antes e depois da eleição presidencial. Alguns usuários dos Estados Unidos também podem ser proibidos de criar vídeos ou eventos ao vivo, grupos ou páginas “com base em sinais como violações repetidas de nossas políticas”, acrescentou a empresa.

“Continuaremos monitorando e implementando medidas adicionais conforme necessário”, disse o Facebook.

Deve-se notar que esses conspiradores de extrema direita não estavam exatamente escondendo seus esforços da primeira vez, postando abertamente em cantos pró-Trump da internet e plataformas convencionais nas semanas que antecederam a insurreição. Como observa o Washington Post, mais de 100.000 usuários do Facebook e Instagram postaram hashtags afiliadas ao movimento para anular a vitória de Biden, como ” FightForTrump” e “StopTheSteal”, uma referência a alegações completamente infundadas de fraude eleitoral promovidas pelo presidente e seus apoiadores.

Portanto, as medidas de segurança mais recentes do Facebook infelizmente estão de acordo com o modus operandi da empresa de implementar políticas de moderação bem-vindas, mas extremamente atrasadas. A saber, o Facebook finalmente começou a combater qualquer conteúdo que contenha a frase “stop the steal” no início desta semana.

O Facebook, junto com quase todas as outras plataformas de mídia social flagradas hospedando extremistas de direita antes do ataque, em grande parte tentou minimizar seu papel na história. Na segunda-feira, a COO Sheryl Sandberg afirmou que a insurreição foi, “em grande parte”, organizada em outros serviços de internet, como Parler e Gab, sendo que ambos também têm jogado a culpa em outras plataformas.