O Facebook está começando a tomar medidas para dificultar situações de assédio na plataforma de mídia social com uma série de novas ferramentas anti-bullying.

No começo do ano, o Facebook alterou o feed de notícias de modo que os usuários passaram a ver mais posts de familiares e amigos, e menos conteúdo de sites de notícias e companhias. Mark Zuckerberg disse na época que ele queria ajudar os usuários a terem “interações sociais significativas”. Agora, o Facebook está seguindo em sua caminhada em facilitar interações que sejam menos tóxicas.

Facebook está dando para anunciantes informações que você sequer forneceu ao site
Facebook pode enfrentar multa de até US$ 1,63 bilhão na União Europeia pela mais recente falha de segurança

O chefe de segurança da companhia, Antigone Davis, anunciou a nova iniciativa em um blog post. Uma dos novos recursos permitirá que os usuários deletem vários comentários simultaneamente. Isso significa que se alguém estiver inundando seu mural com comentários maldosos, eles poderão ser apagados em massa sem que você precise lê-los. Os usuários também poderão reportar um post como assédio ou bullying usando o perfil de outra pessoa — isso estará disponível em um menu na publicação. Os comentários, então, serão marcados para que os moderadores do Facebook possam revisar o conteúdo e decidir se o conteúdo viola ou não os padrões de comunidade do Facebook.

Por outro lado, se um usuário acredita que seus posts foram reportados como assédio injustamente, ele pode apelar da decisão.

Davis escreveu que o Facebook está tentando maneiras de permitir que os usuários bloqueiem palavras em específico em comentários feitos em seus posts. A rede diz que está também aumentando os esforços de proteção de figuras públicas.

A companhia ainda permitirá discussões críticas sobre celebridades e políticos, mas diz que “vai censurar ataques severos que envolvam uma figura pública”. O Facebook já implementou algo do tipo com figuras públicas jovens há alguns meses, mas agora está expandindo a iniciativa para cobrir pessoas de todas as idades.

O anúncio vem uma semana após o Twitter ter dito que estava reprimindo “discurso desumanizador” na rede. Twitter e o Instagram possibilitaram o bloqueio de certas palavras em 2016.

Imagem do topo: Justin Sullivan/Getty Images