No estande em homenagem a Monteiro Lobato na Bienal do Livro de São Paulo, algumas crianças estavam curiosíssimas para ver como funcionava um livro infantil no iPad. A editora Globo preparou uma fantástica versão de A Menina do Narizinho Arrebitado, obra de Lobato, com animações interativas e belas ilustrações, como o famoso aplicativo da Alice. A empolgação da molecada sobre o livro eletrônico mostrava o óbvio potencial dos tablets para a leitura. Mas a verdade é que no Brasil estamos longe, muito longe de levar livros eletrônicos a sério. Na gigantesca Bienal que acabou hoje, havia mais espaços para caducas coleções de enciclopédias e audiolivros do que para o inegável futuro do meio. 

A Bienal é um negócio fantástico. Qualquer pessoa que curta muito ler pode se divertir, vendo lançamentos, palestras, promoções e editoras que têm pouco espaço nas prateleiras de megalivrarias. Mas a Bienal deste ano, gigantesca que era, parecia muito com a de dois anos atrás. E muita coisa já mudou de lá pra cá. Na verdade uma coisa, que mudou tudo: os e-books. Desde que a Amazon lançou o seu Kindle, algumas marcas históricas já foram atingidas: no Natal de 2009, a maior livraria do mundo vendeu mais livros eletrônicos do que de papel. E há poucos dias, um dos títulos da sensacional saga de Stieg Larsson superou a marca de 1 milhão de cópias eletrônicas (eu contribuí, por sinal).

Ler em um dispositivo eletrônico é bom. Pesquisas mostram que donos de leitores eletrônicos compram mais livros que a média. Aliás, todas as estatísticas não se restringem ao Kindle. E, se meu testemunho vale de algo, eu, com o aplicativo do Kindle e o iBooks no iPad, tenho lido mais livros do que em qualquer outro momento da minha vida. É mais barato e prático, além de algumas vantagens (anotações fáceis, sincronização com o Kindle no Android, marcadores inteligentes, etc).

Mas eu só tenho lido coisas em inglês. Os livros eletrônicos no Brasil são poucos, caros e vendidos em lojas virtuais, na melhor das hipóteses, mal organizadas. Na Bienal, ficou claro que a realidade de livros eletrônicos ainda é para poucos – havia no total quatro (QUATRO) estandes com eles, apenas um vendendo. Mas há gente tentando se mexer. 

Matheus Vasconcelos, um dos responsáveis pelo conteúdo digital da livraria Saraiva, andava entre vários estandes da Bienal do Livro tentando saber quais os planos das editoras para lançar os tais eBooks. Para convencer os interlocutores, ele dizia que a loja virtual da Saraiva já havia vendido 20 mil livros eletrônicos em dois meses, sem publicidade, praticamente em Beta. Eu o encontrei por acaso no estande de uma grande editora, que tem livros entre os 10 mais vendidos do Brasil. Ali, um representante disse que iria estudar a questão daqui a um mês. Matheus sorriu simpático, mas parecia já estar impaciente. A conversa – mais uma do tipo no dia – mostrava como ainda estamos engatinhando na questão dos livros e leitores digitais no País. O preço dos leitores não ajuda, é fato, mas as editoras parecem olhar apenas para o curto prazo. Na hora de lançar um e-book, por exemplo, a maioria tem preferido o formato pdf com DRM, que tem um arquivo maior e mais lento, do que o consagrado padrão ePub, porque este custa a fortuna de 60 centavos por página na hora da conversão do original. É uma impressionante falta de visão.

No quesito e-readers a coisa não está muito melhor. O Alfa custa R$ 700. O Cool-er, da Gato Sabido, R$ 600. Leitores gringos como o Sony e-reader, Nook ou Kindle são bastante superiores. E mais baratos também – com impostos e frete, o Kindle chega aqui a R$ 520. Sim, estamos acostumados com a diferença de preços em eletrônicos, mas ter qualquer tipo de imposto de importação ou nenhum IPI reduzido para os leitores é algo não errado, mas criminoso para a nossa cultura. Chega a ser ridículo que precisemos de um advogado ensinando como entrar na justiça ensinando a não pagar o imposto sobre um leitor digital

É uma questão estratégica, que tem de começar a ser pensada urgentemente pelo governo. Dar um leitor chinês desses que tem um custo que não chega a 100 dólares pode ser mais barato, no médio prazo, do que comprar milhões de Reais em livros didáticos. Como bem resumiu Élio Gaspari na Folha de hoje

Enquanto o governo chinês joga bilhões de dólares na produção de carros elétricos e híbridos, o brasileiro faz o possível para manter esse assunto fora de sua agenda.

Enquanto os mercados da China e da Índia preparam-se para vender tabuletas baratas para a leitura de livros eletrônicos, a indústria nacional produz carroças caras e o governo finge que esse assunto pertence ao futuro, mantendo tarifas escorchantes para a importação dos aparelhos. Foram muitos os fabricantes de carruagens que continuaram criando cavalos quando os primeiros automóveis passaram em frente aos seus estábulos.

Eu era um pouco cético quando surgiu o primeiro Kindle, custando quase 400 dólares. Fazia a conta simples: veja quantos livros dá para comprar por esse preço! Mas depois que comecei a consumir loucamente livros no iPad, vi a sua praticidade, depois de ver especialistas e escritores dizendo que o livro em papel tem seus dias contados, me convenci. Não tenho dúvidas de que este é o futuro e ele virá mais rápido do que imaginamos. E, enquanto país, temos que correr.