O FBI está desenvolvendo um sistema que é no mínimo controverso – chamado Next Generation Identification (NGI), ele identifica pessoas com base apenas na aparência, independentemente da ficha criminal dela.

Segundo a Electronic Frontier Foundation, o sistema terá um banco de dados com informações de cerca de um terço dos moradores dos Estados Unidos. Em conjunto com o banco de dados com mais de 100 milhões de impressões digitais, este sistema soa como uma grande ameaça à privacidade. Ele poderá mostrar a foto de uma pessoa junto com impressão digital, endereço, nome e idade.

Segundo a EFF, a parte mais preocupante do NGI está nas imagens de rosto das pessoas:

Atualmente, se você se candidatar a qualquer emprego que exija impressões digitais ou verificação de antecedentes, suas impressões são enviadas e armazenadas pelo FBI em seu banco de dados de civis. No entanto, o FBI nunca coletou uma fotografia junto com esses dados. Isso vai mudar com o NGI. Agora um empregador pode exigir que você forneça uma foto junto com as suas digitais. Se for o caso, o FBI vai armazenar tanto a sua foto de rosto quanto suas impressões digitais junto com seus dados biográficos.

Além disso, o NGI vai, pela primeira vez, cruzar aquilo que está no banco de dados com informações de criminosos e a lista de quem não tem antecedente criminal nos EUA. Cada pessoa receberá um número, que, se buscado, mostrará os registros do banco banco – a preocupação da EFF é que uma pessoa possa ser confundida com criminoso por estar no mesmo banco de dados daqueles que possuem antecedentes criminais.

A previsão é que o sistema fique pronto durante o verão nos EUA – inverno no Brasil – e que a quantidade de dados armazenados aumente cada vez mais. Em 2015, 52 milhões de moradores dos EUA estarão com suas fotos guardadas pelo FBI, mesmo sem ter nenhum antecedente criminal. É assustador, mas, ao menos em teoria, só valerá para quem mora nos EUA. Por enquanto… [EFF via Engadget, BusinessInsider]

Imagem via Shutterstock.