Um foguete russo Soyuz-2-1b foi atingido por um raio na segunda-feira (27), poucos segundos após o lançamento. Surpreendentemente, o foguete continuou em sua missão como se nada tivesse acontecido.

O foguete Soyuz-2-1b – uma versão moderna do testado e aprovado veículo de lançamento russo – decolou do Cosmódromo de Plesetsk às 9h23, horário local, na segunda-feira, 27 de maio, de acordo com um comunicado traduzido pelo Ministério de Defesa da Rússia. Equipado com um estágio superior Fregat, ele carregava o satélite que substituiria o sistema de navegação GLONASS e orbitaria algumas horas depois.



O vídeo do lançamento mostrou um raio de luz brilhante atingindo o foguete Soyuz durante os primeiros estágios de sua ascensão.

O foguete lançado no céu, mesmo assim, não se abalou. A Soyuz-2-1b conseguiu entrar em órbita, onde implantou o satélite GLONASS. O Ministério de Defesa da Rússia confirmou a ação bem-sucedida, escrevendo: “O lançamento do veículo de lançamento e o lançamento da espaçonave na órbita calculada ocorreram no modo normal”.

“Os foguetes Soyuz tendem a ser lançados em boas condições meteorológicas, mas este lançamento foi conduzido em condições particularmente precárias e até sofreu um relâmpago durante o voo da primeira fase”, escreveu William Graham em sua cobertura do lançamento no NASA Spaceflight Now. “O foguete não sofreu nenhum efeito negativo da experiência.”

“Em 27 de maio às 09:23 MSK de Plesetsk Cosmodrome, foi realizado um lançamento bem-sucedido do veículo de lançamento Soyuz-2-1b com a espaçonave de navegação russa GLONASS-M”, escreveu Roscosmos em um tuíte traduzido.

O diretor-geral da Roscosmos, Dmitry Rogozin, também tuitou : “O raio não é um obstáculo para você!”

Embora raros, relâmpagos durante lançamentos de foguetes acontecem. Um dos casos mais famosos foi de um foguete Saturno V que foi atingido por um raio, não apenas uma, mas duas vezes durante o lançamento da Apollo 12 em 14 de novembro de 1969. Em Expedições Apollo à Lua, o engenheiro aeroespacial da NASA Christopher Kraft Jr. relatou a angustiante experiência:

Eu me lembro de qualquer um das centenas de incidentes que ocorreram ao longo dos anos em que voamos no Apollo. O lançamento sempre foi um momento difícil para mim, e eu sempre esperei ansiosamente pela separação bem-sucedida do propulsor. Quando se acrescenta a isso uma apreensão causada pelo mau tempo sobre o Cabo, fico ainda mais preocupado. Descobriu-se que todos os elementos estavam presentes para a Apollo 12. O lançamento foi feito em um céu cinzento ameaçador com nuvens cumulus assustadoras. As palavras de Pete Conrad, 43 segundos após a decolagem, alarmaram todos no Centro de Controle: “Vários dos nossos controles caíram”, seguido por “Para onde estamos indo?” E “Eu acabei de perder a plataforma”. A espaçonave tinha sido atingida por um raio. As luzes de advertência estavam acesas e o sistema de orientação da espaçonave perdeu sua referência de atitude.

A espaçonave ainda estava subindo, acelerando a caminho da órbita. Não houve muito tempo para decidir o que deveria ser feito. A tripulação recebeu uma ordem para a separação da primeira fase do veículo de lançamento de Saturno V. Em segundos, John Aaron, engenheiro de sistemas elétricos e ambientais do CSM, descobriu o que havia acontecido. Pete precisou mudar para o sistema de dados secundário para que a telemetria mostrasse o status do sistema elétrico. A tripulação então teve que reiniciar as células de combustível, que voltaram a funcionar, e o Apollo 12 continuou em órbita.

Apesar de alguns momentos assustadores e pequenos danos, a missão foi autorizada a continuar, e os astronautas do Apollo 12 se tornariam a segunda tripulação a pousar na Lua. Como esta história e o recente incidente com a Soyuz-2-1b demonstram, um pequeno relâmpago terrestre não é suficiente para retardar a exploração do espaço pela humanidade.