Foo Fighters no metaverso foi um fiasco, mas dá pra ver show de novo

Banda de rock fez uma apresentação de realidade virtual imersiva de 180 graus no metaverso, mas resultado final não agradou. Entenda o motivo
Foo Fighters
Imagem: Reprodução/Instagram Foo Fighters

A Meta, empresa dona do Facebook, convidou a banda de rock Foo Fighters para uma “apresentação musical de realidade virtual imersiva de 180 graus no metaverso”,  logo após o Super Bowl.

whatsapp invite banner

Porém, o show de realidade virtual foi aparentemente um grande fracasso, recheado de dificuldades técnicas.

O Foo Fighters, banda do ex-baterista do Nirvana Dave Grohl, apresentou neste domingo (13) sua performance no metaverso como parte da programação do Super Bowl LVI. O show com dez músicas e 46 minutos de duração foi pré-gravado no Los Angeles Convention Center e transmitido (e agora disponível) no Facebook e no Instagram, além do aplicativo Horizon Ventures.

De acordo com as muitas postagens de fãs frustrados, o primeiro show da banda em realidade virtual, que foi ao ar na noite do Super Bowl, foi extremamente difícil de entrar e, no geral, uma grande decepção, mesmo para aqueles que conseguiram entrar no “local” em absoluto.

O evento muito aguardado prometia uma experiência única de concerto alimentada pelo metaverso, para os proprietários do Meta Quest 2. Dada a popularidade de shows semelhantes organizados por plataformas como Fortnite, muitos esperavam que fosse uma grande vitória de relações públicas para o Meta e seu metaverso.

O show cheio de problemas foi bem documentado por Kent Bye no Twitter, o apresentador do “Voices of VR Podcast”. Em uma thread na rede social, destacou alguns dos melhores aspectos do programa, a maioria de seus tweets e as respostas que ele recebeu mostraram que os fãs não puderam participar devido a instruções confusas (via UploadVR).

Os Foos abriram com a estreia ao vivo de “T-Shirt”. Mais tarde, eles tocaram “Walking After You” pela primeira vez desde 2006, e o show terminou com a primeira apresentação de “Home” desde 2007. Você pode conferir a performance completa no Facebook

Porém, Kent Bye twittou sobre a experiência decepcionante em que ele detalhou tudo, desde o “lobby” com falhas e quase inexistente que é típico de shows de VR até problemas com as câmeras do show.

Para quem já teve que esperar em filas virtuais para tudo, como para compra de ingressos para shows , o conceito de sala de espera virtual é bastante comum. No show Metaverse do Foo Fighters, no entanto, o “local” não abriu suas “portas” até o horário de início do show, começando apenas cinco minutos depois dos usuários entrarem.

A maioria dos eventos online, particularmente aqueles em grande escala como este show do Foo Fighters, permite que as pessoas entrem em uma sala de espera virtual antes do horário de início oficial – normalmente abrindo cerca de 30 minutos antes do horário do show. 

Isso evita que haja um grande impacto nos servidores com os usuários inundando de uma só vez, o que reduz a probabilidade de os participantes sofrerem falhas.

A Meta decidiu optar por uma estratégia diferente. Conforme relatado por Bye, ninguém poderia participar do evento até o horário de início bem anunciado das 20h PT, e o show pré-gravado começou apenas cinco minutos depois, às 20h05. 

Às 20h, mais de 61 mil pessoas ansiosas receberam um convite para participar do Foo Fighter’s After Show (aproximadamente o número de pessoas que registraram seu interesse antes do horário), e, sem surpresa, o lobby caiu devido ao influxo de usuários que tentaram para juntar-se em um grande empurrão.

Bye destacou que havia outras maneiras de entrar no show por meio do aplicativo Horizon Venues, mas isso parece não ter sido uma solução intuitiva para os usuários ou os problemas persistiram lá. No auge, o número máximo de espectadores de RV atingiu apenas cerca de 13 mil –menos de um quarto das pessoas que queriam participar.

Os usuários da Quest que puderam participar se viram assistindo a um vídeo pré-gravado de um show, com ângulos de visão abaixo do ideal e operadores de câmera andando pelo palco. Isso fez com que alguns sentissem que o Foo Fighters After Show não era a primeira experiência em VR que havia sido prometida. 

Mais tarde no tópico, Bye observou que os diretores da filmagem em VR “pareciam estar priorizando a filmagem para o que ficaria melhor para a versão 2D”, que foi transmitida ao vivo simultaneamente. 

“Havia cinegrafistas andando pelo palco matando a vibração geral de imersão”, ele twittou, acrescentando que a transmissão 2D era “mais cinematográfica [e] emocional”, antes de admitir que ele gostou dos próprios Fighters independentemente

Em resposta às reclamações no Twitter, o vice-presidente da Horizon Worlds, empresa de VR do Facebook que co-produziu o show, Vivek Sharma citou que os problemas foram causados ​​por uma demanda “sem precedentes”. Adicionando que outras oportunidades de ver o show estariam disponíveis para aqueles que perderam a primeira vez.

Além disso, o show da Meta foi muito mais longo do que normalmente vemos para shows gratuitos realizados em espaços virtuais, e a empresa tentou manter um alto nível de polimento na produção. 

Críticos como o desenvolvedor de jogos Robert Newton, no entanto, dizem que não havia razão para o Facebook (quer dizer, Meta) estar tão despreparado. “Como os locais multiusuários de VR existem há cerca de 6 anos, eu teria pensado que os produtores do show de VR do Foo Fighters poderiam ter planejado capacidade para mais do que alguns milhares de pessoas”, twittou Newton.

Porém, o Fortnite começou a hospedar shows de transmissão ao vivo antes que a pandemia do COVID-19 os tornasse um marco na indústria da música, e um show do artista de EDM Marshmello supostamente teve mais espectadores “presentes” do que Woodstock .

Embora esta não tenha sido a primeira vez que os programas do Facebook Metaverso fracassaram nos últimos meses, esse parece ser um dos maiores erros para a empresa recém-renomeada que engatou seus vagões para a mania de VR. O Facebook está claramente tentando e falhando em replicar o sucesso do Fortnite em seu recém nascido Metaverso. 

Rayane Moura

Rayane Moura

Rayane Moura, 26 anos, jornalista que escreve sobre cultura e temas relacionados. Fã da Marvel, já passou pela KondZilla, além de ter textos publicados em vários veículos, como Folha de São Paulo, UOL, Revista AzMina, Ponte Jornalismo, entre outros. Gosta também de falar sobre questões sociais, e dar voz para aqueles que não tem

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas