Os Estados Unidos testaram um míssil com capacidade nuclear durante a noite, lançando um Minuteman III sem armamento a partir da da Base Aérea de Vandenberg, na Califórnia, de acordo com a 30ª Ala Espacial, que faz parte da Força Espacial dos Estados Unidos.

O míssil balístico intercontinental (ICBM) foi lançado às 12h33 do horário local (5h33 no horário de Brasília) e percorreu cerca de 6.700 quilômetros pelo do Oceano Pacífico, chegando perto do Atol de Kwajalein, nas Ilhas Marshall. É o primeiro teste de mísseis anunciado publicamente pela 30ª Ala Espacial da Força Aérea desde que foi colocada sob o comando da Força Espacial.

A Força Espacial foi oficialmente criada pelo presidente Donald Trump como o sexto braço do exército dos EUA em dezembro, embora até agora esteja lotada com pessoas executando as mesmas missões que antes, apenas com um novo nome. Oficialmente, a Força Espacial ainda está organizada sob as Força Aérea dos EUA.

“Esse lançamento marca um momento muito especial na história da nossa nação”, disse o Coronel Anthony Mastalir, comandante da 30ª Ala Espacial, num comunicado de imprensa. “Fornecer o apoio de alcance necessário para facilitar esse lançamento mostra como a Força Espacial continuará a apoiar e a integrar-se na luta conjunta para garantir a segurança nacional do nosso país”.

O gabinete da 30ª Ala Espacial de Assuntos Públicos lançou um vídeo do lançamento nesta quarta-feira (5). Ele se parece muito com os lançamentos anteriores de Vandenberg.

O míssil Minuteman III está em serviço desde 1970 e tem um alcance máximo de pouco mais de 13.000 km, o que o torna capaz de atingir praticamente qualquer coisa em todo o mundo. Mas espera-se que o míssil seja gradualmente eliminado durante a década de 2020.

A Força Aérea anunciou em 2016 que estava procurando desenvolver a próxima geração de tecnologia de mísseis nucleares terrestres, conhecida como o Dispositivo Estratégico de Base Terrestre (GBSD). Espera-se que o GBSD, que deverá ter uma tecnologia de orientação melhorada, seja entregue até 2029 e provavelmente estará em uso até a década de 2070 – mas para isso é preciso que a humanidade sobreviva até lá.

“O Minuteman III está envelhecendo, e programas de modernização como este são essenciais para garantir que nossa Nação tenha um dispositivo nuclear confiável durante o resto de sua vida e além dela. Mais importante ainda, este indicador visível da nossa capacidade de segurança nacional serve para garantir a proteção de nossos parceiros e dissuadir os potenciais agressores”, disse o Coronel Omar Colbert, Comandante da 576ª Esquadrilha de Testes de Voo, em um comunicado de imprensa.