No último dia 4 de junho completaram-se 32 anos do massacre da Praça da Paz Celestial em 1989, quando as tropas chinesas reprimiram um protesto pró-democracia abrindo fogo e matando centenas de manifestantes em Pequim.

O governo chinês não gosta de falar sobre isso e também não gosta quando outros falam sobre isso. Está quase no topo de uma longa lista de tópicos que censores estatais colocaram em listas proibidas para toda a mídia e internet chinesas. Eles também pressionam as empresas e outras nações que fazem negócios com a China a não mencionarem o ocorrido.

Uma imagem emocionante ficou mundialmente famosa. Ela mostra um indivíduo desconhecido de traje social parado no caminho dos tanques que se direcionavam para reprimir os protestos. Essa imagem é conhecida nos países de língua inglesa como “Tank Man” (ou “homem dos tanques”, em tradução livre). Portanto, é bastante estranho que buscar por essa imagem no Bing, no Yahoo Search e no DuckDuckGo nos EUA não tenha retornado resultados na sexta-feira (4) — algo que a Microsoft se apressou em consertar.

Durante toda a tarde de sexta-feira, usar a função de pesquisa de imagens no Bing, da Microsoft, usando as palavras “Tank Man”, retornava a mensagem: “Não há resultados para tank man / Verifique a ortografia ou tente outras palavras-chave”. (De acordo com o Motherboard, o mesmo acontecia em outros países, incluindo França e Suíça.) O Yahoo Search, que usa o motor do Bing, retornava os resultados: “Não encontramos resultados para: tank man. Experimente as sugestões abaixo ou digite uma nova consulta acima.” Os resultados de DuckDuckGo retornaram, simplesmente, “Desculpe, nenhum resultado aqui.”

Isso foi considerado por alguns, como o veterano repórter de segurança cibernética da Reuters Joseph Menn, como um exemplo da influência que a China exerce sobre empresas de tecnologia estrangeiras que fazem negócios com empresas do país asiático.

É particularmente estranho porque usar a função de pesquisa geral (não a específica de imagens) para “Tank Man” retorna resmas de informações nos três sites, incluindo miniaturas da foto. O uso da função de pesquisa de imagens com “Tank Man Tiananmen Square”, uma expressão mais específica, retorna várias imagens no Bing e DuckDuckGo; usar essa consulta na busca de imagens do Yahoo retorna limitados 17 resultados.

A Microsoft faz negócios na China há décadas e o Bing pode ser acessado de lá. Assim como a Apple e outros concorrentes, a empresa há muito obedece aos caprichos dos censores chineses para manter o acesso ao enorme mercado do país. Ela exclui dos resultados do Bing na China informações que o governo considera confidenciais. No entanto, a empresa disse que o bloqueio dos resultados de imagem para “Tank Man” nos EUA não foi intencional e que o problema estava sendo resolvido.

“Isso se deve a um erro humano acidental e estamos trabalhando ativamente para resolver isso”, disse um porta-voz da Microsoft ao Gizmodo por e-mail.

No início da noite de sexta-feira, pesquisar por “Tank Man” no Bing agora retorna muitos resultados — embora a famosa fotografia apareça apenas de passagem na forma de um papel de parede fortemente modificado para obscurecer os tanques.

Assine a newsletter do Gizmodo

Uma razão provável para todos os três sites terem o problema “Tank Man” é que os sites de pesquisa menores não têm escala para indexar a web por conta própria e, portanto, licenciam os índices da Microsoft. Na noite de sexta-feira, os resultados de imagem do Yahoo para a consulta eram idênticos à versão atualizada do Bing.

O DuckDuckGo está bloqueado na China e, portanto, aparentemente teria pouco incentivo para censurar, embora também tenha parceria com o Yahoo e o Bing. Seus resultados pareciam estar em processo de atualização no início da noite de sexta-feira.

O Gizmodo entrou em contato com a Verizon Media, dona do Yahoo, e o DuckDuckGo para comentar, mas ainda não recebeu uma resposta.