Todos nós já roubamos alguma coisa do trabalho – canetas, lápis, talvez um caderno – mas esse funcionário da Foxconn foi longe demais. De acordo com o AsiaOne, um ex-gerente sênior da maior fabricante de eletrônicos do mundo foi acusado de roubar e vender 5.700 iPhones, lucrando cerca de US$ 1,56 milhão (cerca de R$ 5,39 milhões, na cotação atual).

• Foxconn começa a substituir funcionários por robôs na China
• A Apple finalmente vai começar a vender iPhones recondicionados nos Estados Unidos

O gerente taiwanês, identificado pelo seu sobrenome Tsai, trabalhava no departamento de testes da Foxconn. Ele instruía 8 empregados na fábrica de Shenzhen a contrabandear centenas de iPhones 5 e iPhones 5S, de acordo com a denúncia.

Os celulares roubados eram feitos especificamente para testes – e não para a venda – e deveriam ser descartados depois que a companhia terminasse o procedimento. Claro que uma grande empresa como a Foxconn tem um sistema de contabilidade de seus celulares para testes e a operação criminosa foi descoberta depois de uma auditoria interna. Dia triste para os ladrões.

O líder Tsai foi acusado por abuso de confiança e pode ficar até 10 anos na cadeia se for considerado culpado. É um preço alto a se pagar, especialmente por um monte de celulares ultrapassados. Moral da história: não roube milhões da companhia para a qual você trabalha.

[The Next Web via AsiaOne]

Imagem: AP Photo/Kin Cheung.