O ritmo em que os furacões se movem pelo planeta está diminuindo, de acordo com uma nova pesquisa. Isso sugere que o furacão Harvey, que parou no Texas no último verão do hemisfério norte, pode não ter sido uma anomalia e que as tempestades tropicais, altamente destrutivas e lentas, estão se tornando mais comuns.

E qual a razão pela qual o furacão Harvey foi tão terrível? Ele ficou “preso” num local.

Um furacão em 2015 lançou raios de antimatéria em direção à Terra
Imagens incríveis da NASA mostram cicatrizes das florestas de Porto Rico depois do furacão Maria

O Harvey despejou mais de 50 centímetros de chuva em Houston e em áreas vizinhas nos cinco dias que passou vagando pela área. Alguns locais receberam até 60 centímetros de chuva em dois dias. Cerca de 90 pessoas morreram no sudeste do Texas, e mais de 200 mil residências e empresas foram destruídas. Além de ser a tempestade tropical mais chuvosa que já atingiu os Estados Unidos, ela correspondeu ao furacão Katrina em termos de custo, causando cerca de US$ 126 bilhões em perdas econômicas.

James Kossin, cientista do Centro Nacional de Informação Ambiental da NOAA em Madison, no Wisconsin, diz que o ritmo lento do Harvey pode ser sintomático de uma tendência mais preocupante. Seu novo artigo, publicado nesta quarta-feira (6) na Nature, fornece evidências mostrando que a velocidade com que os furacões se movem pelo planeta, um fenômeno conhecido como velocidade de tradução, está diminuindo. E não estamos falando de quantidades minúsculas; seus dados mostram que, em média, os furacões em todo o mundo ficaram cerca de 10% mais lentos nas últimas sete décadas.

Regiões em que houve diminuição do movimento de ciclones tropicais

Analisando dados históricos de furacões de 1949 a 2016, Kossin descobriu que os ciclones tropicais no Atlântico Norte desaceleraram em 6% no período observado. No leste do Pacífico Norte e na região de Madagascar, foi mais perto de 4%, mas as águas australianas viram desacelerações de 15%, e no Pacífico Norte Ocidental a queda na velocidade de tradução foi de 20%. Os ciclones tropicais diminuíram em ambos os hemisférios e em todos os oceanos, exceto no norte do Oceano Índico, de acordo com a nova pesquisa, mas o efeito é mais pronunciado no hemisfério norte.

Particularmente preocupante foi a observação de que o efeito de desaceleração piora quando os furacões chegam à terra, permitindo mais tempo para que a precipitação caia sobre uma determinada área. Desacelerações estatisticamente significativas de 20% a 30% foram registradas em regiões terrestres próximas do oeste do Oceano Pacífico Norte, do Oceano Atlântico Norte e ao redor da Austrália. Como o Harvey demonstrou, furacões “parados” causam mais danos relacionados a tempestades, em especial inundações. “Essas tendências quase certamente aumentam o total de chuvas locais e inundações de água doce, o que está associado a um risco de mortalidade muito alto”, disse Kossin em um comunicado de imprensa.

A razão por trás da desaceleração global, diz Kossin, pode ter algo a ver com as mudanças nos ventos diretos que regulam a direção e a velocidade das tempestades tropicais. Ele teme que o aquecimento global esteja mudando — e enfraquecendo — a maneira como o ar circula dentro da atmosfera, um efeito que muitos outros estudos descobriram. A mudança climática já é considerada um fator para aumentar a severidade dos ciclones tropicais mais fortes, e um mundo em aquecimento também está levando a maiores taxas de precipitação. Agora, existe um potencial para um efeito duplo com a chegada de tempestades tropicais mais lentas.

“A desaceleração global observada de 10% ocorreu em um período em que o planeta aqueceu 0,5 ° C, mas isso não fornece uma medida real da sensibilidade climática, e mais estudos são necessários para determinar quanto mais desaceleração ocorrerá com o aquecimento contínuo”, disse Kossin. “Ainda assim, é completamente plausível que os aumentos de chuvas locais possam realmente ser dominados por essa desaceleração, em vez dos aumentos esperados de chuvas devido ao aquecimento global.”

Escrevendo em um artigo publicado na Nature News and Views que acompanhava o estudo, a climatologista de Berkeley, Christina Patricola, diz que uma das limitações do artigo é que ele não explica inteiramente o que está acontecendo com a taxa de precipitação de ciclones tropicais.

“As leis da termodinâmica revelam que, à medida que a atmosfera se aquece em 1 °C, a quantidade de umidade que ela pode reter aumenta em 7%. Isso sugere que o aquecimento global pode melhorar as chuvas”, escreve Patricola. “No entanto, não está claro se há tendências estatisticamente robustas sobre a quantidade total de chuvas tropicais por ciclones tropicais ou o quanto as desacelerações na velocidade de tradução relatadas por Kossin poderiam contribuir para elas.” Segundo Patricola, esses dados limitados nos impedem de entender a conexão e o que realmente está acontecendo. E sobre o tema dos furacões “parados” como o Harvey, a especialista diz que esses tipos de tempestades “são relativamente raros, tornando difícil avaliar se há tendências estatisticamente significativas nas observações limitadas disponíveis”, acrescentando que “os métodos estatísticos podem ajudar a quantificar tendências, mas, às vezes, são menos adequados para entender os fatores físicos”.

Em outras palavras, o resultado que o novo estudo está produzindo é alarmante, e o aquecimento global pode muito bem ser responsável pela aparente desaceleração do ciclone, mas mais pesquisas são necessárias, tanto para descobrir se isso é parte de uma tendência maior quanto para determinar se e como as mudanças climáticas estão contribuindo para esse fenômeno. Enquanto isso, seria prudente que os governos federal e local de áreas normalmente alvos de furacões investissem no preparo para tempestades e em arquitetura resistente a furacões e inundações.

[Nature]

Imagem do topo: NASA