Experimentos em um reator de fusão na China atingiram um importante marco. Eles criaram plasma com temperatura de 50 milhões de graus Celsius – mais quente que o núcleo do nosso Sol – e sustentaram esse estado por mais de um minuto e meio.

>>> Cientistas ativam reator e dão grande passo rumo à fusão nuclear

Os experimentos foram realizados no EAST (Tokamak Supercondutor Experimental Avançado), construído em 2007. Ele possui um reator em forma de anel onde fica o plasma incrivelmente quente.

Ao controlar campos magnéticos intensos de forma cuidadosa, é possível conter o plasma bem no centro do anel; as paredes da estrutura nunca são diretamente expostas às altas temperaturas do plasma.

A meta de longo prazo para reatores de fusão é gerar energia, portanto é essencial garantir que essas altas temperaturas possam ser sustentadas por muito tempo.

As reações precisam ocorrer por longos períodos, porque iniciá-las requer uma quantidade enorme de energia: se a reação parar muito cedo, ela consome mais energia do que gera – o resultado líquido é negativo.

Mas controlar este calor intenso é desafiador, porque ele provoca grandes instabilidades que são difíceis de confinar. Assim, realizar um experimento a essas temperaturas durante 102 segundos é um avanço bastante positivo.

Esta não é a temperatura mais quente já criada na Terra. O prêmio ainda pertence ao Grande Colisor de Hádrons, que conseguiu criar uma “sopa” de plasma de glúons e quarks subatômicos com uma temperatura estimada de 5 trilhões de graus Celsius. Isso é cerca de 250.000 vezes mais quente que o centro do Sol! Mas essas condições não duram nem por um segundo, e são inúteis para realmente gerar energia.

Na verdade, a maioria dos cientistas sugere que uma fusão nuclear estável precisa estar em torno de 100 milhões de graus – então ainda temos algum caminho a percorrer.

Este é mais um avanço na área da fusão nuclear. Na semana passada, o stellarator Wendelstein 7-X passou por testes bem-sucedidos no Instituto Max Planck na Alemanha, onde o combustível de hidrogênio foi usado pela primeira vez. Parece, no entanto, que levaremos no mínimo uma década até que a fusão seja realmente capaz de gerar eletricidade para nós.

[South China Morning Post via Tech Insider]

Imagem: Instituto de Física de Plasma/Academia Chinesa de Ciências