No último fim de semana, um garoto de 10 anos de Harrisonville, Missouri (EUA), caiu de uma casa da árvore após ter sido atacado por um enxame de vespulas (um inseto que lembra um pouco as abelhas) que estava pela estrutura — e, infelizmente, esse foi só o início do horror vivido pelo menino.

Chamadas para emergência revelam como funcionários da Apple se acidentam nos vidros da nova sede
Estudo estima que Pokémon GO colaborou com mais de 100 mil acidentes de trânsito

Quando Xavier Cunningham chegou ao solo, um espeto de churrasco que estava grudado na grama entrou em seu rosto. Segundo o pai de Cunningham, o espeto de metal tinha sido encontrado anteriormente pelo garoto e seus amigos, e eles o colocaram no chão para, assim, ninguém pisar nele. Em vez disso, o espeto furou a bochecha de Cunningham, perfurando seu crânio e passando pela cabeça.

“Eu o ouvi gritando e desci as escadas rapidamente”, disse Gabrielle Miller, mãe de Cunningham, ao jornal Kansas City Star. “Ele entrou para casa e tinha essa coisa na cabeça”. A outra ponta do espeto estava 15,2 cm para fora do rosto do menino.

Segundo Miller, assim que eles chegaram no hospital, o menino disse: “eu estou morrendo, mãe”. Milagrosamente, ele estava errado. Uma equipe médica conseguiu remover com segurança o espeto do rosto dele.

Crédito: Kansas City Star

“Este objeto conseguiu poupar o olho, o cérebro e a medula espinhal”, disse Koji Ebersole, diretor de neurocirurgia endovascular dos sistema de saúde da Universidade do Kansas, ao Kansas City Star. “Mas a maior preocupação eram os vasos sanguíneos do pescoço.”
Exames mostraram que a ponta do espeto não passou pelos vasos principais. “Você não poderia pensar em uma situação tão ideal”, disse Ebersole. “Havia uma chance em um milhão de passar a 12,7 cm ou 15,24 cm pela fronte da face em direção a parte de trás da cabeça, e tudo isso sem atingir órgãos vitais.”

Aqui tem um vídeo (em inglês) em que Ebersole dá detalhes da operação:

A cirurgia foi complicada pelo fato de o espeto ter formato quadrado, mas a equipe conseguiu tirar sem causar maiores danos ao paciente.

Ebersole estimou que cerca de 100 pessoas estiveram envolvidas para salvar Cunningham. Ele espera que o garoto se recupere completamente ou tenha uma ou outra avaria em consequência do acidente.

A família do menino criou uma campanha de financiamento coletivo no GoFundMe para ajudar a pagar as despesas médicas.

[Kansas City Star]

Imagem do topo: University of Kansas Health System