Um empregado de uma escola nos EUA fez, de forma anônima, uma piadinha vulgar na seção de comentários do site do jornal Post-Dispatch, de St. Louis. Em pouco tempo ele perdeu o emprego porque o editor do jornal ficou ofendido, caçou o comentarista e ligou para o chefe dele.

O comentário do empregado era só uma palavra: "buceta" (NT: sim, debatemos antes se iríamos usar a palavra com O ou U). Foi uma resposta idiota para um post idiota de um blog, intitulado "Qual a coisa mais maluca que você já comeu?". A piada foi infeliz, com certeza. Mas foi importunamente repostada depois que o administrador a deletou. No entanto, o comentarista não era ameaça para nada nem pra ninguém — ele só teve mau gosto. Então é bizarro o esforço que o autor do post fez: Kurt Greenbaum viu o endereço IP no comentário, associou-o a uma escola da região, ligou para a escola e repassou todos os dados do comentarista.

Depois, como escreveu Greenbaum, o cara foi pego:

O diretor de TI da escola sentiu-se atraído pelo desafio… ele rastreou [o endereço IP] até chegar em um computador específico. O diretor da escola confrontou o empregado, que se demitiu na hora.

Ponto pro Greenbaum! Agora o pessoal de St. Louis não vai achar, estupidamente, que eles podem falar anonimamente para o jornal, ou que quem trabalha em jornais — justo este setor em crise — não se simpatize com alguém que foi demitido. E não dá pra imaginar ninguém falando a palavra "buceta" pro Greenbaum de novo — afinal, este cara é impenetrável. [ReadWriteWeb; imagem via Flickr do Kurt Greenbaum]