Apesar de você estar usando Torrent casualmente há anos, as ferramentas do BitTorrent continuam ficando cada vez melhores. Eis o nosso guia para extrair o máximo daquilo que – lenta, porém certamente – está mudando para sempre a maneira como as pessoas adquirem e consome entretenimento.

Este guia é voltado para o pessoal que entende o básico, mas talvez tenha acabado de começar a entender superficialmente do que são capazes os clientes de BitTorrent. Se você é ainda mais hardcore que as dicas dadas aqui, sinta-se à vontade para deixar nos comentários seus conhecimentos (e os links!) para uso de todos. Distribua livremente o amor.

Ao longo do guia, usaremos dois dos clientes multiplataforma mais populares do BitTorrent: Vuze (antigamente chamado de Azureus) e μTorrent. Ambos aplicativos têm duas abordagens fundamentalmente diferentes: o Vuze vem com praticamente todos os recursos que você poderia imaginar, inclusive uma ferramenta de busca, compartilhamento entre amigos tipo networking social, um guia de conteúdos e muito mais. O μTorrent, por outro lado, é o oposto: limpo, simples e personalizável. A escolha é sua.

Muitos daqui preferem as vantagens de algumas das características mais novas do Vuze, mas também amamos o µTorrent. Sempre que for aplicável, nós daremos ênfase em aplicativos autossuficientes que podem trazer parte da funcionalidade integrada do Zune para os fãs do µTorrent.

Configure os limites de transferência e a NAT do seu roteador
Esta é, sem sombra de dúvida, a coisa mais importante que você deve fazer para garantir o melhor desempenho possível do BitTorrent. E é também algo frequentemente esquecido por usuários de Torrent casuais e até mesmo intermediários.

Os clientes de BitTorrent conduzem todo o tráfego de rede deles por uma única “porta” na sua rede. Mas o seu roteador gosta de parcialmente ou completamente bloquear o tráfego que não vem por meio de todas as portas “padrão” (como a porta 80 para tráfego de rede, por exemplo). Assim, você precisa se certificar de que o seu computador possui um canal limpo e aberto para todos os dados que você estará baixando ao configurar o “encaminhamento de porta”, que permite que o seu roteador saiba para qual computador da rede ele devia enviar o tráfego sobre certas portas em vez de bloqueá-lo. Faz sentido?

1. Nas preferências do seu cliente de Torrent sob a guia “rede” ou “conexão”, encontre qual porta TCP/UDP ele está usando. Mantenha a opção default, mas só a título de informação, você pode selecionar basicamente qualquer número que você quiser (mas leia antes o artigo “Good Port Choices” para o Vuze) e, se você tiver múltiplas máquinas na mesma rede usando BitTorrent, você deve selecionar números únicos de porta para todas elas.

2. Agora, abra a página de administrador do seu roteador. Isto é feito digitando-se o endereço de IP do seu roteador no navegador (geralmente é 192.168.0.1, 192.168.1.1 ou 192.168.2.1). Às vezes você precisará digitar um nome de usuário e senha; busque no Google o nome/senha default do seu padrão caso você não consiga se lembrar. Os usuários dos roteadores AirPort da Apple devem usar o aplicativo AirPort Utility.

3. Depois disso, a terminologia para o que você está procurando é chamado de diferentes nomes por todas as empresas de roteador. Algumas chamam de “encaminhamento de porta”, outras chamam de “servidores virtuais” ou “mapeamento de porta” – a terminologia é surpreendentemente variada, mas ela geralmente está relacionada sob uma guia de “configurações avançadas”, caso haja uma. O site Portforward.com pode ajudar você a localizar a sua caso você esteja com dificuldade.

4. Uma vez tendo encontrado todas as informações necessárias, digite o número da porta do seu cliente no passo 1 em AMBOS os campos UDP e TCP (você digitará o mesmo número de porta para os campos UDP/TCP “privados” ou “locais”). Você também digitará o endereço IP atual da sua máquina (encontrado sob preferências de Rede tanto no OS X quanto no Windows).

Observação: se a sua máquina for um laptop e você conecta e se desconecta com frequência da rede, você deve programar um endereço IP local fixo para não ter que alterar as configurações do seu roteador toda vez que for usar Torrent.

5. Clique em salvar e você já deve estar pronto. O seu cliente de BitTorrent terá um teste de rede enfiado em algum lugar sob preferências – use isto para certificar-se de que a sua conexão está funcionando.

6. Agora, o passo final é definir um limite para as suas velocidades de upload. Como você deve saber, o BitTorrent simultaneamente faz upload para outras pessoas enquanto você faz download, e para garantir boas velocidades de download você precisa fazer upload. Mas você não quer que estes uploads dominem a sua limitada banda para upload, especialmente se você está usando conexão a cabo. Para estar a salvo de risco, limite os seus uploads em algo ao redor de 20 kb/s. Este é um bom limiar geral que garantirá boas velocidades de download sem entupir a sua conexão. Se você estiver usando conexões ultra velozes (para padrões Brasil, lógico), você pode optar por aumentar um pouco este limite, mas experimente um pouco cada valor.

O Vuze possui uma ferramenta que pode ajudá-lo a configurar automaticamente as suas velocidades também – provavelmente algo bom para se experimentar nas preferências.

Proteja a sua retaguarda
Todos os avisos de sempre se aplicam: não seja um idiota quando estiver baixando coisas que você provavelmente não deveria. Eis algumas ferramentas e estratégias para certificar-se de que você esteja livre de vírus e processos legais. Mas, como sempre, não há nenhuma garantia! Proceda ciente do seu próprio risco! Etc., etc.

1. Não envie mais do que o absolutamente necessário. A prioridade número 1 da RIAA/MPAA/NARC são os uploaders pesados. Não que a parte do download seja menos ilegal, mas se você interromper o seed e deletar o seu arquivo .torrent file após completar o seu download, as suas chances de manter-se seguro são significativamente maiores.

Observação: se o seu código cuidadosamente elaborado de moral online o compele a continuar com o upload além da quantidade que você compartilhou durante o download, sinta-se livre para fazê-lo, sabendo que isto aumenta a chance de você receber um notificado amistoso do seu provedor de acesso. E, por favor, faça seed SIM de quaisquer arquivos propositadamente distribuídos via BitTorrent, como uma distribuição nova de Linux ou coisas licenciadas pela Creative Commons de amiguinhos como Nine Inch Nails. Isso não fará mal nenhum a você.

Observação 2: se você é vítima cliente do Virtua ou outro provedor que curta um traffic shaping, ficar mandando arquivos além da conta pode aumentar a chance de você ter a sua velocidade reduzida no fim do mês.

Você poderia argumentar que usar Torrent é suficientemente mainstream para sobreviver a muitas milhares de pessoas fazendo seed de quantidades realmente pequenas (ou seja, a quantidade de upload durante o download), ou você poderia falar sobre o duplo (triplo? quádruplo?) paradoxo que surge quando contemplamos a moral de consumir sem compartilhar no mercado cinza-escuro-quase-negro de Torrent. Mas eu não sou o seu pai – o que você faz é pobrema seu.

2. Prefira torrents com muitos seeds e bons comentários. Se centenas de pessoas estão compartilhando um mesmo arquivo, as chances de ele ser de boa qualidade e não conter vírus é maior. Eu sei que isto pode parecer contrário ao ponto #1 logo acima, mas você não entrou nessa para ganhar créditos geek. Você entrou nessa pra você. Ou seja, siga a manada. Além disso, comentários em sites de torrent geralmente terão algumas (poucas, eu sei) informações úteis – se muitas pessoas relatarem comportamento estranho com o arquivo baixado ou uma misteriosa trava com senha, pule o arquivo.

Além disso, caçar as lendas geek da comunidade Torrent vai certamente garantir boins downloads. Procure opções como os Torrents do aXXo sempre que possível.

3. Use o filtro de IP Bluetack para manter longe de você o povo do mal. O pessoal do Bluetack mantém uma lista de faixas de IP de safados conhecidos como spammers, seeders de vírus e espiões disfarçados tipo o Media Defender que podem provocar problemas para você. Para acrescentar a lista no Vuze, vá em Preferências, -> Filtros de IP e digite o seguinte URL no campo de preenchimento automático: http://www.bluetack.co.uk/config/level1.zip

Atualização: alguém com mais conhecimento nos avisou que não se deve usar Bluetack por uma ladainha de motivos, o mais chocante deles é que o Bluetack é alguma manobra elaborada para zoar com redes P2P por dentro. Sei lá, pelo pouco benefício que ele proporciona, eu sugeriria não usar o Bluetack.

4. Veja sites privados de torrent. Apesar dos dias de consagração do Oink terem terminado, ainda há uma boa quantidade de bons sites privados de BitTorrent nos quais as suas chances de ser atingido por um malware aleatório ou por uma intimação federal são reduzidas. Mas para ser convidado lá é preciso fazer uma certa vista grossa e você provavelmente será forçado a fazer upload de uma determinada quantidade para manter a sua associação.

5. Moderação, moderação. Sempre que puder – que a Providência Geek me perdoe – compre dos seus artistas prediletos. E quanto menos você usar a sua banda, menor a chance de você atrair a ira do seu provedor de acesso (ou a limitação mensal de banda deles).

Baixe automaticamente os seus shows prediletos via RSS
Para coisas como séries de TV, você pode facilmente configurar o Vuze para buscar séries populares via RSS e baixá-las automaticamente todas as semanas. Isso é legal. Os adoradores do µTorrent devem dar uma olhada no TED, um aplicativo autossuficiente de múltiplas plataformas que faz a mesma coisa.

1. No Vuze, busque o seu programa predileto. Quando você tiver encontrado o seu episódio mais recente e acrescentado à sua lista de download, clique no botão RSS laranja sob “Assinar”. A janela de assinatura também pode olhar outros arquivos na sua biblioteca e programar a assinatura deles também.

2. Você verá muitas opções diferentes, todas aparentemente iguais. Selecione HD sempre que possível e, se houver a opção EZTV, escolha esta – é uma fonte confiável de bons torrents. Daí então novos episódios aparecerão automaticamente na sua área de Assinaturas e você poderá puxá-los quando quiser.

Transfira arquivos para o seu console de jogo ou faça transcode para o seu iPod/PMP/telefone com Vuze
A versão mais nova do Vuze acrescentou uma ferramenta realmente útil de transcode e streaming – justo quando você achava que não teria como enfiarem mais nada neste aplicativo. Mas isso é ótimo e funciona perfeitamente para detectar automaticamente um PS3 ou Xbox 360 na sua rede e transferir os seus downloads para a sua TV sem quaisquer configurações chatas.

1. Habilite o add-on de streaming sob a opção “Dispositivos” no painel esquerdo.

2. Se o seu PS3 ou Xbox 360 estiver ligado e conectado à sua rede, ele automaticamente será exibido como um dispositivo. Basta você arrastar um arquivo da sua biblioteca para o ícone do seu console e ele estará disponível na área apropriada (no menu Video da XMB do PS3 e no My Video Library, como outro PC, no Xbox 360).

3. A ferramenta também fará transcode para iTunes em tamanhos otimizados para iPods, iPhones e Apple TV usando o mesmo processo. Basta arrastar o arquivo da sua biblioteca no Vuze para o ícone do iTunes e após uma conversão relativamente lenta ele será copiado para a sua biblioteca do iTunes. Bem bacana.

Próximos Passos
Há muitos lugares para onde você pode ir a partir daí. Coisas como configurar uma máquina dedicada sempre ligada de torrrent, seja com um PC sobressalente ou uma caixa NAS com um cliente Torrent embutido. Daí você pode se aproveitar de interfaces somente de rede para acessar e gerenciar os seus downloads de fora de casa.

Parece um bom começo para um futuro Giz Explica, não parece? Fique de olho.

Então é isso! Como dissemos antes, se você tiver mais dicas e ferramentas para compartilhar, por favor deixe os links nos comentários – o seu feedback é imensamente importante para os nossos guias. Tenha uma boa semana de torrents, pessoal!

Imagem cortesia de, sim, ele mesmo, Jason Chen.