Os emails que você envia e recebe pelo Gmail são confidenciais, certo? Bem, o Google não acha isso. Em um documento judicial, a empresa disse que os usuários do Gmail não têm “expectativa razoável” de que os emails sejam privados. Ei, como assim?

O documento, descoberto pelo grupo de defesa do consumidor Consumer Watchdog, esquenta as discussões sobre privacidade (que já estão bem quentes com a questão da vigilância da NSA sobre cidadãos dos EUA e do mundo inteiro). O Google pela primeira vez reconhece publicamente que não respeita a privacidade, diz a entidade. O seguinte parágrafo admitiria a falta de privacidade:



Assim como um remetente de uma carta para um colega de negócios não pode se surpreender caso a secretária do destinatário abra a carta, pessoas que usam emails baseados na web hoje não devem se surpreender se suas mensagens forem processadas pelo provedor de email do destinatário no processo de entrega.

Em outras palavras: você envia um email para seu amigo e o provedor de email dele vai processar a mensagem, e não há nada que você possa fazer contra isso. Não significa que o Google admite que alguém está lendo seus emails – o argumento foi usado para se defender das acusações de que o conteúdo dos emails é verificado para os anúncios direcionados do Google.

Ainda na sua defesa, o Google disse que o processo tenta “criminalizar práticas comuns de negócios”, já que a verificação do conteúdo das mensagens para os anúncios direcionados faz parte do Gmail desde que ele foi introduzido. E vai além: “todos os usuários de email devem esperar que suas mensagens sejam sujeitas a processamento automático”.

A questão dos anúncios direcionados é bastante debatida, e não é novidade que o Google tenha um sistema de verificação do conteúdo das mensagens para personalização dos anúncios. Mas não significa que o Google reconheceu que não há nenhum tipo de privacidade nos emails trocados pelo seu serviço, e que seus usuários não devem esperar por isso: as mensagens só podem ser lidas pelo remetente e destinatário (ou destinatários). Mas, no meio do caminho, elas passam por um sistema automatizado que verifica palavras-chave para exibir anúncios. E, como as políticas de privacidade do Google são unificadas, isso vale para qualquer serviço: o que você faz em um pode ser usado para exibir anúncios em outros.

O Google reconhecer que há um sistema que processa as mensagens enviadas pelo Gmail não é novidade, e também não significa que o Google admite que seus emails não são confidenciais. Mas isso não isenta a empresa de outras acusações, como a de colaborar com a NSA e entregar informações dos usuários como parte do PRISM – essa é uma outra questão que ainda não foi muito bem explicada. [Consumer Watchdog, The Verge, Folha]