Se você buscar no YouTube por “Facebook Libra”, você achará um monte de vídeos que dizem como você consegue comprar a moeda virtual. O problema é que muitos dos vídeos foram feitos por golpistas que estão tentando roubar suas informações pessoais. Como sabemos que estes caras são larápios? Simples: a Libra nem foi lançada ainda.

O Washington Post foi uma das primeiras publicações a falar sobre a proliferação de conteúdos falsos sobre a Libra em redes sociais, inclusive no próprio Facebook, no Instagram e no YouTube. Nós também achamos vários golpes nessas plataformas com uma busca simples por termos como “Libra wallet”.

Em um exemplo, um vídeo do YouTube entitulado “How to Buy Facebook Libra Coin” encoraja a audiência a clicar em um link encurtado bit.ly na descrição do vídeo. O tal link leva os usuários para um website chamado Libre Reserve, que foi idealizado para parecer igual ao site oficial da Libra. Se você visitar o site (o que nós não recomendamos), não digite nenhuma informação. O website parece bastante o oficial, inclusive com o logotipo da moeda do Facebook, mas é um golpe. (O site oficial da Libra é libra.org).

Um pop-up que aparece no site diz que pessoas de vários países já “compraram” diferentes quantias de Libra, que, novamente, é impossível de ser a Libra original, já que a moeda ainda não foi lançada.

Pop-up em site diz que cliente do Vietnã comprou moeda virtual LibraPop-up em site diz que cliente do Vietnã comprou moeda virtual Libra

Não havia nenhum tipo de contato dos proprietários do site Libra Reserve.

O site fraudulento também permite “acesso antecipado” à Libra, que, vale lembrar pela 8ª vez, ainda não foi lançada, sem contar que pode nem ser oficializada, dado que autoridades de todo o mundo já mostraram suas reservas à moeda do Facebook. O projeto controverso está sendo debatido em todo o mundo, com as pessoas questionando as éticas de multinacionais ao lançar suas próprias moedas. Preocupados, alguns membros do Congresso dos EUA reconheceram que pode não haver nada a ser feito para interromper a iniciativa da companhia.

Voltando aos golpes, outras buscas no Instagram revelam algumas pessoas menos habilidosas em golpes e fraudadores das antigas. Contas com nomes do tipo “libra coin wallet” anunciam que estão à venda. Como se o Facebook não pudesse simplesmente tomar a conta e fazer o que quiser.

O Facebook anunciou o projeto Libra junto com outras 27 companhias para formar o que eles chamam de Libra Association, cuja sede será na Suíça. As companhias, que vão desde empresas de cartão de crédito a empresas de capital de risco, dizem que estão apenas concentrados em “pessoas não-bancarizadas”. Mas especialistas dizem que a moeda digital deve capacitar grandes empresas e minar pequenos países.

E enquanto a Libra Association promete que se responsabilizará, muitas pessoas são céticas de que o Facebook, junto com empresas como Visa, Mastercard, PayPal e Uber, tenham os melhores interesses no coração. O Facebook tem lidado de forma duvidosa com os dados de usuários por mais de uma década e a empresa lucra com dados privados de mais de 2,38 bilhões de pessoas cadastrada na rede. Eles não conseguem nem coibir as fraudes da Libra em sua plataforma e olha que a moeda, repetimos, ainda nem foi lançada.

Ainda assim, em um comunicado enviado ao Washington Post, um porta-voz do Facebook disse: “O Facebook remove anúncios e páginas que violam nossas políticas quando tomamos conhecimento deles, e estamos trabalhando constantemente para melhorar a detecção de fraudes em nossas plataformas”.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, diz que eles mudaram, mas parece virtualmente impossível responsabilizar a empresa por suas transgressões. A empresa está sendo multada em US$ 5 bilhões pela FTC, mas depois que as notícias do acordo foram divulgadas, as ações do Facebook tiveram alta de 1,8%. O fato é que Zuck criou um monstro que é grande demais para dar errado.