O Google adiou a data para descontinuar os aplicativos do Chrome – uma funcionalidade que você talvez nem lembre que exista.

Os apps do Chrome, que são diferentes das extensões do navegador, são programas instalados no browser mas que podem ser iniciados de forma independente a partir do desktop, assim como outros programas.

Como lembra o Verge, um dos exemplos de aplicativo do Chrome é o Pocket, que permite aos usuários salvarem artigos e textos para ler depois em uma janela separada e independente do navegador.

Os aplicativos do Chrome no Linux, Mac e Windows deveriam deixar de funcionar em junho deste ano. Mas de acordo com o 9to5Google, o Google aparentemente repensou a ideia. Em um blog post desta segunda-feira (10), a companhia escreveu que os aplicativos do Chrome nesses três sistemas operacionais não serão desligados até junho de 2021 com base no “feedback de nossos clientes e parceiros”.

As organizações que confiam nos aplicativos por algum motivo podem solicitar uma extensão que os dará suporte até junho de 2022, que é também quando o suporte aos aplicativos Chrome no ChromeOS está programado para se encerrar.

Se tudo correr conforme o planejado, em junho de 2022 os aplicativos do Chrome devem acabar definitivamente. A Chrome Web Store “deixará de aceitar apps novos e atualizações de aplicativos privados e não listados” a partir dessa data, de acordo com o Google, bem como terminará o suporte a aplicativos e APIs associadas em todas as plataformas.

O anúncio do fim do suporte aos aplicativos do Chrome foi feito em 2016, com a justificativa pela falta de adoção generalizada (apenas 1% dos usuários do Chrome no Mac, Linux e Windows tinham instalado um app), bem como atualizações que tornaram o Chrome muito mais capaz de atividades como “trabalhar offline, enviar notificações e conectar-se ao hardware”.

A Chrome Web Store retirou sua categoria de aplicativos em dezembro de 2017, quando começou a implementar seus sucessores, os Progressive Web Apps, que permitem que os websites se pareçam mais com aplicativos e não estão limitados a rodar no Chrome.

As extensões do Chrome, que são muito populares, não serão impactadas por essas mudanças. O Google recomenda que os desenvolvedores de qualquer aplicativo do Chrome ativo façam a transição para o Progressive Web Apps, páginas web aprimoradas por extensões, ou extensões, bem como notifiquem seus usuários com antecedência para fazer a mudança.