Lembra-se do Google+, aquela nova rede social do Google? Então, eles vêm realizando Hangouts – videochats públicos em grupo – com famosos como Marcelo Tas, Marisa Monte e até o Papai Noel. Nos EUA, o Google contou com a ajuda dos Muppets e do Dalai Lama, e ainda passou comerciais do G+ na TV. Resultado: eles chegaram a 62 milhões de usuários, e o tráfego aumentou.

Esta estimativa de Paul Allen (não é o co-fundador da Microsoft!) usa um modelo estatístico baseado em sobrenomes. O Google geralmente não revela o número de usuários, mas disse em outubro que a rede tinha 40 milhões de usuários – e a estimativa de Allen estava muito próxima. Até 27 de dezembro, segundo Allen, o Google+ contava com 62 milhões de usuários.

E segundo ele, 625.000 pessoas estão fazendo perfil na rede a cada dia. Isto significa que um quarto de todos os usuários do Google+ entrou em dezembro. É muita gente em um período tão curto, e Allen acredita que o crescimento vai continuar: até o final de fevereiro, o Google+ deve chegar aos 100 milhões de usuários. Pouco se comparado aos 800 milhões do Facebook, porém bastante considerável.

Mas não adianta ter usuários se eles não estiverem ativos, certo? Bem, segundo a Experian Hitwise, o tráfego semanal subiu de 7,2 milhões para 9,4 milhões em um mês. O maior valor corresponde à semana que termina em 17 de dezembro, mas ainda não supera os 15 milhões de visitantes na semana em que o Google+ abriu ao público, em setembro. Com hangouts poderosos e integração aos serviços do Google, será que o Google+ pode mesmo dar certo? [Paul Allen via Mashable]