Google vai instalar servidores em Cuba para deixar seus serviços mais rápido na ilha

Google instalará servidores de cache em Cuba para tornar serviços da companhia mais rápidos para usuários da ilha.

O Google fechou um acordo com a estatal de telecomunicações cubana ETECSA para instalar servidores no país. A ideia é criar uma espécie de cache local para fazer os serviços da empresa ficarem mais rápidos na ilha.

Com a presença de servidores locais, o Google espera que o acesso ao YouTube e ao Gmail fiquem até 10 vezes mais rápido para os usuários cubanos.

Conheça a Snet, a internet ilegal de Cuba
Cuba censura mensagens de texto com termos “democracia” e “direitos humanos”

Atualmente, para alguém em Cuba tentar acessar os serviços do Google, o tráfego deve passar por servidores na Venezuela, o que costuma fazer com que a conexão seja lenta — até porque, Cuba não tem muitas conexões à internet com outros países. A título de curiosidade, segundo a operadora local, é oferecido velocidades que variam entre 64 Kbps e 155 Mbps (esta última, majoritariamente, para clientes empresariais).

Eric Schmidt, presidente da Alphabet, e Mayra Arevich Marin, presidente da ETECSA, assinam acordo em Havana (Ramon Espinosa/AP)

Por causa do embargo econômico imposto pelos Estados Unidos, a ilha não tem nenhuma conexão com seu vizinho norte-americano, apenas com a Venezuela via fibra óptica.

O acordo ajuda a remover um dos grandes obstáculos da internet em Cuba, que conta com uma banda limitada e muito cara. Aliás, é ilegal que cubanos tenham conexão em casa e o governo cobra o equivalente a um mês de salário pelo acesso a 10 horas de Wi-Fi — e a conexão nem é rápida o suficiente para baixar ou ver vídeos em streaming.

O Google diz atuar na ilha desde 2014, quando lançou o Google Chrome, o Google Play e o Google Analytics. “Todos estes projetos se relacionam com os valores mais essenciais do Google: fazer com que toda a informação do mundo seja acessível e útil para todos, sem importar os custos, a conectividade ou as barreiras de idioma”, informou a empresa em um comunicado.

[AP]

Sair da versão mobile