O Google atualizou as regras para incluir apps no Google Play, a fim de eliminar apps enganosos – que fingem ser outros apps, ou têm palavras-chave não-relacionadas. A empresa também quer acabar com propaganda invasiva, que aparece fora dos apps.

Os desenvolvedores receberam um e-mail do Google sobre as mudanças. Eis o que diz a nova política sobre apps enganosos:

Não finja ser outra pessoa, e não diga que seu app é autorizado ou produzido por outra empresa ou organização se este não for o caso… Apps não devem ter nomes ou ícones que, podendo causar confusão, sejam semelhantes a produtos existentes ou a apps fornecidos com o dispositivo (como Câmera, Galeria ou Mensagens).

Além disso, a nova política estabelece que a descrição de produtos não deve ser enganosa, nem cheia de palavras-chave para deixar o app artificialmente mais visível no Google Play.

Quanto a propagandas invasivas, o Google também tem algo a dizer:

Deve ficar claro para o usuário a qual app está associada ou implementada a propaganda. Ela não pode mudar o funcionamento do dispositivo fora da propaganda em si: nem instalar atalhos, favoritos ou ícones, nem mudar configurações padrão sem o conhecimento e consentimento do usuário.

No Google Play, dos apps com propaganda, 15% colocam anúncios na barra de notificações e 11% colocam ícones de propaganda na tela inicial, segundo a AppBrain.

Vale lembrar que a política também proíbe apps pornográficos – há anos, na verdade – mas isso não impediu o surgimento de um enorme universo pornô no Android. Isso não deve mudar tão cedo.

Mas quanto às outras regras: o Google já seguia algumas delas – removendo apps enganosos, por exemplo – e talvez seja mais rígido agora que elas fazem parte da política para desenvolvedores. Um Google Play mais limpo é sempre bem-vindo.

[Google Play via Mashable via BGR]