A grande conferência anual do Google começa na próxima terça-feira, dia 8 de maio. Embora boa parte do Google I/O seja voltado para programadores e pessoas que criam aplicativos e softwares para as diversas plataformas da companhia, o que for anunciado no evento irá impactar todos os que usam Android, Chrome OS, Wear OS ou quaisquer dos aplicativos desenvolvidos pelo próprio Google — basicamente, todo mundo. Separamos aqui os maiores anúncios que esperamos ver (e alguns que não esperamos) durante o Google I/O 2018.

• O Chrome está mudando a forma como silencia vídeos automáticos (sim, de novo)
• É oficial: todos emojis de arma vão virar pistolas d’água

As coisas mais importantes

Android P (e Material Design 2)

Imagem: Google

Com uma base de usuários global maior que 2,5 bilhões de dispositivos (e isso só contando smartphones), o principal ato no Google I/O tem a ver com as mudanças no Android. Dito isso, o sistema operacional móvel do Google está maduro, as atualizações são menores, há menos mudanças radicais, e o foco está em refinar o que já está presente. Neste momento, a próxima versão tem sido designada apenas pela letra “P”, e, para os donos de dispositivos Pixel, uma prévia do sistema já está disponível para download desde o começo de março.

Como sempre, haverá algumas mudanças estéticas no Android, conforme o Google continua a liberar o que chamam de Material Design 2, que é uma atualização da linguagem visual da empresa que possui linhas mais claras, botões transparentes, novos elementos na interface de usuário e muito espaço em branco. Na verdade, usuários de aplicativos como Gmail, Google Tarefas e Chrome já devem ter percebido algumas mudanças nesses serviços que transformaram o visual em algo mais claro e mais intuitivo. O Google também alterou o visual geral e as funções do Android com coisas como uma nova barra de notificações e painel de ajustes rápidos, um controlador de volume vertical e um relógio localizado no lado esquerdo superior em vez de direito superior.

Por debaixo do capô, podemos ver mudanças maiores na maneira como as pessoas usam seus Androids, graças a uma gama de gestos que parecem ter sido emprestadas dos controles que a Apple colocou no iPhone X. Também estamos esperando a estreia da nova Slices API, que ainda precisa ser mais explicada pelo Google; pelo que alguns desenvolvedores corporativos puderam ver agora, parece ser uma nova funcionalidade da interface de usuário que torna mais fácil para que programadores mostrem fragmentos ou processos de um aplicativo dentro de um aplicativo completamente diferente.

Imagem: Google

E, para aqueles que estão tentando adivinhar o que o “P” irá significar, as apostas atuais incluem Peppermint Patty (um tipo de bombom recheado), Pumpkin Pie (torta de abóbora), Praline (geralmente castanhas envolvidas em açúcar cristalizado), entre outros. No entanto, com base em uma dica que o Google escondeu em uma leva de papeis de parede, a principal aposta é Android Popsicle (Picolé).

Um novo dongle do Android TV

Foto: Google via FCC

Meu melhor palpite é que o dispositivo que apareceu nos últimos rumores se trata de um dispositivo Android TV, que parece vir para suplantar a linha de dongles de streaming baratos agora que o Google pegou o nome do Chromecast e o transformou em uma funcionalidade que pode ser embutida em diversos dispositivos, incluindo TVs, media boxes e alto-falantes.

Sinceramente, já é hora disso acontecer. Embora a Android TV vem ganhando tração a partir do uso em televisores da Sony, ela não recebeu o mesmo tratamento em dispositivos próprios da companhia, como vimos com produtos do Google Home.

Android Things

Serão oito sessões no Google I/O voltadas para o Android Things, a plataforma de internet das coisas da empresa. A partir delas, deveremos ter uma ideia melhor sobre como a companhia planeja incorporar um mundo cada vez mais conectado em que todas as coisas, desde a campainha até a máquina de lavar, possuem algum tipo de computador embutido.

É possível que o Google até anuncie uma versão 1.0 completa do Android Things, o que tiraria o seu framework do beta, após ser anunciado em 2016. O Google provavelmente vai abordar como o Android Things lida com segurança e atualizações, esse último elemento que continua a ser uma grande dor de cabeça para dispositivos Android produzidos por terceiros e que geralmente precisam esperar seis meses ou mais para ter os updates.

Coisas menores e incertezas

Android Automotivo

Depois de anunciar no começo desse ano a possibilidade de usar o Android Auto sem fios (embora a partir de um número selecionado de unidades conectadas ao Pixel), parece que o Google está tentando trabalhar com mais profundidade no campo dos carros com o Android Automotivo, que ao contrário do aplicativo no celular que se sincroniza com o veículo, é um sistema operacional dedicado feito para lidar com mais do que música, mapas e mensagens.

O Android Automotivo foi mostrado pela primeira vez no Google I/O 2017, e, embora muitas montadoras estejam relutantes em adicionar o suporte ao Android Auto em seus carros, um produto com mais funcionalidades pode ser aquilo de que o Google está precisando para embalar nesse mercado.

Mais informações sobre Wear OS

Imagem: Google

Destacado por uma sessão no Google I/O intitulada “O que tem de novo no Wear OS”, certamente teremos algumas informações sobre o sistema para relógios que a companhia está tentando corrigir depois da bagunça que foi o Android Wear. Na versão atual de prévia para desenvolvedores do Wear OS, o Google fez algumas pequenas edições como uma interface escura e novas funcionalidades de economia de bateria. Mas o que tudo mundo espera é ver para onde o Google quer levar o Wear OS.

Atualizações do Google Fotos e Google Lens

Com o foco cada vez maior em machine learning (aprendizado de máquina), Google Fotos e Google Lens se tornaram um meio popular para a empresa mostrar novas aplicações para seus truques de inteligência artificial. Com sorte, teremos uma atualização da funcionalidade de remoção de objetos do Google Fotos, que foi demonstrada em 2017 mas nunca lançada, junto com alguns truques úteis para armazenar, encontrar e compartilhar suas imagens.

Novas funcionalidades para Google Home, Daydream VR e Displays inteligentes

Foto: Alex Cranz (Gizmodo)

Com a adição de Home Mini e Home Max no final do ano passado, a família do Google Home agora possui três dispositivos, o que significa que não seria ruim para a empresa anunciar novos truques para sua assistente digital. Além disso, depois de estrear com o primeiro display inteligente durante a CES em janeiro, há uma chance de que tenhamos mais informações sobre o que o Google pretende fazer com a linha de concorrentes do Amazon Echo Show.

Para realidade virtual, com a chegada iminente do primeiro headset independente com Daydream VR a partir do Solo Mirage e da Mirage Camera, que nasceram de uma parceria entre Google e Lenovo, é provável que mostrem algumas atualizações e qual o caminho da plataforma.

Prováveis ausências

Pixel 3

O Google ainda está trabalhando na próxima versão do Android, então eu ficaria surpreso se eles compartilhassem quaisquer informações sobre a próxima leva de smartphones Pixels. E, baseando-se no histórico, eles não aparecerão entre setembro e dezembro. No entanto, se essa reportagem do jornal indiano Economic Times for verdadeira, talvez tenhamos que esperar só até julho ou agosto. Os rumores atuais sugerem que o Google lançará três novos Pixels até o final deste ano, em vez dos tradicionais dois modelos. Entre eles, estaria um Pixel 3 intermediário, mais barato.

O console “Yeti”

O Google já tentou produzir hardware de videogame antes, mas não foi nada bem. No entanto, com base no sucesso que a empresa teve com seus dispositivos Chromecast e com serviços de streaming como GeForce Now e PS Now, parece que a empresa pode tentar novamente, com um console chamado “Yeti”. Segundo o site The Information, o dispositivo estava planejado para ser lançado no último outono do hemisfério norte (entre setembro e dezembro), mas foi adiado por razões desconhecidas. O Google I/O tipicamente não é um evento de hardware, então é improvável que o Yeti apareça.

Mudanças no YouTube Music

Captura de tela: Google

Apple Music e Spotify abocanharam boa parte da audiência paga de streaming de músicas, mas, no plano de fundo, o Google parece estar trabalhando em uma nova versão do YouTube Music para oferecer para as pessoas mais uma oferta. O serviço deveria ter sido lançado em março, segundo os rumores. No entanto, foi adiado. E parece muito cedo para vê-lo no I/O.

O que mais?

Essas são só algumas expectativas. No Google I/O, haverá discussões sobre outros tópicos, como Flutter, kits de desenvolvimento Google multiplataforma que funcionam com Android, iOS e Fuschia, novas funcionalidades do Google Assistente, possivelmente um novo aplicativo de podcast, o lançamento de domínios web .app e mais.

A partir da próxima terça (8), estaremos cobrindo todas as novidades do Google I/O.

Imagem do topo: Google