O Google já oferece um sistema extremamente popular para smartphones; faz o design da linha Nexus; e oferece um serviço de banda larga, em algumas cidades dos EUA, que chega a 1 Gbps. O que está faltando? Dominar a barrinha de sinal do celular.

Duas fontes anônimas “que discutiram o assunto com o Google” dizem ao The Information que a empresa se tornará uma operadora de celular, nas mesmas áreas onde é oferecido o Google Fiber.



Caso isso se torne realidade, você viveria em um futuro no qual o ecossistema do Google estaria realmente em todo lugar: no navegador, e-mail, ligações, SMS – praticamente toda e qualquer forma de comunicação. Dado que o Google já tem a fibra óptica instalada, e tem dinheiro sobrando para projetos desse porte, não é absurdo imaginar que a gigante das buscas se torne uma operadora também.

No entanto, acredita-se que ela se tornaria apenas uma MVNO, ou “operadora virtual”: ela licenciaria frequências de empresas já existentes, como as americanas T-Mobile e Verizon. Ou seja, a mudança não deve ser tão radical: talvez o Google pense fazer como operadora o que fez no Fiber, oferecendo internet de 1 Gbps a baixos preços e com atendimento exemplar ao cliente. Mas as operadoras, donas da rede que o Google usaria, certamente iriam se opor.

Por enquanto, parece um sonho. E é um rumor que ouvimos há algum tempo. Em 2010, a CNN especulava que o Google tinha todas as peças para lançar uma operadora. Em 2012, o Wall Street Journal disse que o Google estava em negociações com a Dish Network para lançar uma rede celular. E há cerca de um ano, documentos revelavam que o Google quer fazer uma operadora experimental em seu campus de Mountain View, com cerca de 50 estações-base móveis.

Os executivos do Google têm sonhos altos, como a popularização do Glass e de carros autônomos – mas estes parecem mais prováveis do que ver o Google como operadora. Talvez tenhamos que esperar alguns anos para ver isto acontecer… se acontecer. [The Information]

Foto por John Karakatsanis/Flickr