O Google utilizou os padrões de compatibilidade do Android para suprimir desenvolvedores com rápida ascenção. É o que diz os últimos documentos judiciais na ação entre a Skyhook (especializada em serviços baseados em localização) e o Google.

A alegação da Skyhook, segundo o New York Times, é de que o Google manipula os padrões de compatibilidade do Android para previnir que os desenvolvedores lancem serviços (como o Skyhook) que pudessem roubar a fatia de mercados que o próprio Google domina (neste caso, o Google Maps).

E de acordo com um e-mail enviado por Dan Morill, gerente de Android do Google, eles estão muito conscientes disso.

Em um e-mail enviado no dia 6 de agosto de 2010, Dan Morrill, um gerente do grupo Android, notou de passagem que era óbvio para os fabricantes de telefones que “nós estamos usando a compatibilidade como um porrete para que eles façam o que nós queremos”.

Se esse porrete é usado como uma arma para eliminar a competição, isso é o que a justiça irá decidir.

Ainda sobre o caso, quando a Motorola escolheu a tecnologia de localização do Skyhook para colocar em seus aparelhos, o Google decidiu mexer seus pauzinhos e mudou as regras de compatibilidade para que os fabricantes fossem obrigados a utilizar as tecnologias do Google.

No entanto, analistas de indústria estão defendendo o Google, dizendo que esse tipo de controle é necessário para uma boa experiência de uso (explicação que o Google já utilizou para justificar outras questões com o Android, mas que não condizem muito bem com as promessas open source da empresa).

Quem está certo e errado no caso ainda é algo que será julgado, mas uma coisa parece certa: a relação da filosofia open source do Google e seus interesses de mercado será cada vez mais colocada em questão. [NY Times]