Eis uma história curiosa: segundo o jornal O Globo, o Google irá remodelar parte do mapa da cidade do Rio de Janeiro no Google Maps em um prazo de seis meses a um ano. O motivo? O excesso de nomes de favelas que pipocam na tela do usuário, deixando de lado informações e nomes de bairros relativamente grandes — como Humaitá e Cosme Velho — e potencialmente assustando os turistas.

Apesar do número alto de favelas na cidade, a reclamação tem sentido: como o algoritmo do Google considera todas as favelas como bairros, são mais de 600 nomes exibidos no Maps. Favelas pequenas e praticamente desconhecidas têm o mesmo peso e fontes de grandes bairros. Sem contar os que ficam de fora. A parte estranha é: nenhum órgão público reclamou com o Google — a posição do Google parecem surgir apenas pela notícia d’O Globo, que afirma que apenas 3,8% do espaço do Rio de Janeiro é composto por favelas.

Assim, o Google promete “hierarquizar” as informações e modificar os dados em até um ano. Com a proximidade da Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, a ideia é não assustar os estrangeiros antes da viagem. Começa assim o “lobby digital” por um Rio de Janeiro com menos favelas. [O Globo via Info]