Nos últimos anos, o Google vem deixando de ser um mero buscador para responder vários tipos de perguntas (ou tentar responder, pelo menos) e conseguir informações sem que o usuário precise entrar em outros sites ou baixar aplicativos.

Em seu evento virtual Search On, realizado na tarde desta quinta-feira (15) e transmitido pela internet, a empresa apresentou mais recursos que serão incorporados para descobrir o nome de músicas, obter dados públicos e ajudar na hora de fazer compras — e de vez em quando entrar em uma página ou outra. A chave de tudo isso é a inteligência artificial, este termo que está bastante na moda.

Buscas específicas e buscas amplas

Com a inteligência artificial, o Google espera melhorar os resultados tanto de buscas específicas quanto de requisições amplas e genéricas.

Imagem mostrando o antes e o depois da mudança nas buscas específicas. Uma busca sobre como saber se as janelas têm proteção UV antes retornava um link genérico sobre proteção UV em janelas. Agora, retorna um resultado específico mostrando como saber se uma janela tem proteção UV.

No primeiro caso, o motor de busca vai começar a indexar não só páginas completas, mas também trechos de páginas. Segundo o Google, isso vai melhorar os resultados de 7% das buscas quando estiver disponível globalmente.

Já no caso de buscas amplas e genéricas, o buscador vai usar IA para entender melhor os subtópicos dos resultados para dar direcionamentos melhores, ainda que eles não tenham sido digitados pelo usuário em um primeiro momento.

Como assim? No exemplo dado na apresentação, a busca “equipamentos de ginástica” poderia ter, nos resultados, sugestões de equipamentos para quem não quer gastar muito ou para quem tem pouco espaço em casa. Assim, quem procurou já pode ir direto ao que mais satisfaz suas necessidades, ainda que não tenha pensado nisso de antemão.

Dados e vídeo

O Google também vai usar a IA para indexar conteúdos que não estão disponíveis em texto, como resultados em vídeo e em dados.

Na parte de vídeo, você já deve ter procurado uma informação que estava em um tutorial no YouTube, mas queria saber apenas uma parte específica. O buscador vai tentar entender melhor os vídeos e dar a opção de pular direto para o que interessa. Isso já vinha sendo testado e estará disponível para todos em breve. O Google estima que a novidade vai aparecer em 10% das buscas.

Tela do Google com uma busca dos melhores momentos de um jogo de beisebol. No segundo resultado de vídeo, há uma linha do tempo com vários pontos e quadrinhos de diferentes momentos daquele vídeo.

Já em dados, o Google fez parcerias com várias instituições, como o Censo dos EUA, o Banco Mundial e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA para trazer respostas mais precisas para perguntas envolvendo indicadores sociais e econômicos, como empregos e renda em cidades, estados e países.

Tela do Google para celular com uma busca perguntando quantas pessoas trabalham em Chicago. Nos resultados, um número de população empregada em Chicago aparece em destaque (1,134 milhão), assim com uma linha do tempo mostrando a evolução desse dado e comparando com Boston e Filadélfia.

Outra iniciativa envolvendo dados é o Pinpoint, que faz parte de uma plataforma do Google para jornalistas. Com ele, diversos documentos públicos de várias fontes estarão disponíveis para busca em um só lugar, sendo possível inclusive procurar dentro de cada um deles graças ao reconhecimento de caracteres.

Google Lens

Por falar em reconhecimento de caracteres, o Google Lens, aplicativo de busca que usa a câmera do celular, vai ganhar muitos recursos. Com ele, será possível escanear textos em idiomas estrangeiros e escutar a pronúncia correta das palavras, o que deve facilitar muito a vida de quem está estudando outra língua.

GIF mostra uma equação do segundo grau sendo escaneada e resolvida pelo app Google Lens.

Ele também promete uma mãozinha para os pais que precisam ajudar os filhos com a lição de casa, com um reconhecimento de equações com a câmera, que levará a uma solução contendo até o passo a passo para resolver o problema.

GIF mostra uma foto sendo lida pelo app Google Lens. A blusa vestida pela moça na imagem é buscada, e o Google retorna várias blusas parecidas.

Outro recurso que o Google Lens deve ganhar em breve é o reconhecimento de peças de roupa. Com isso, vai ser possível escanear uma foto de uma pessoa em uma revista ou usar a busca integrada do Chrome e encontrar aquele look (ou um parecido, pelo menos) em lojas, além de sugestões para combinar. Simplesmente chiquérrimo.

Modelo de um carro da Volvo aparece girando em 3D na tela do app do Google. É possível mudar a cor do veículo.

O Google também quer ajudar as montadoras a venderem carros usando realidade aumentada. Assim, será possível visualizar modelos 3D de diversos carros, incluindo o interior, usando o celular, bem como trocar as cores e até mesmo ver como ele ficaria na sua garagem.

Música, mesmo que você não saiba cantar

O buscador quer ajudar até quando você ouviu uma música que não conhece mas ela não sai da sua cabeça. Em breve, será possível cantarolar ou assobiar um pedaço da canção e o Google vai se encarregar de tentar descobrir qual é — parecido com um recurso que o SoundHound tem há anos.

Pandemia

A empresa também apresentou algumas de suas iniciativas durante a pandemia de COVID-19. O Maps, por exemplo, agora mostra se praias e parques estão lotados ou não — antes essa informação era restrita a estabelecimentos comerciais como shoppings e restaurantes. Essas informações também começarão a aparecer nos mapas antes mesmo de o usuário selecionar um lugar. Além disso, o aplicativo também informa sobre as exigências de máscara e mudanças no atendimento.

Tela do Google Maps mostra locais e informações sobre se há poucas ou muitas pessoas neles no momento.

Além disso, a empresa disse que usou sua inteligência artificial para ligações telefônicas, o Duplex, para consultar alterações no horários e no funcionamento de estabelecimentos por causa da pandemia. O robô — que foi apresentado há alguns anos — discava para lojas e restaurantes e perguntava sobre o que havia mudado para atualizar as informações na plataforma.

Duas páginas de um mesmo esteabelecimento mostram se ele está aberto para refeições no local e quais são as exigências de saúde, como medição de temperatura, uso de máscara e reserva antecipada obrigatória.