Lembra o caso da Preta Gil, que ameaçou processar o Google depois que o motor de busca sugeria buscar o nome da artista se você pesquisasse as palavras "atriz gorda"? Bem, este caso aqui é um pouco pior. Depois que você digitava o nome de um rapaz no Google, ele sugeria acompanhar sua pesquisa com as palavras "estupro", "condenado", "satanista" e "prisão". Então este rapaz processou o Google, e vai receber indenização equivalente a R$12.000. Só que ele não tem ficha limpa no cartório.

Todo o caso aconteceu na França, e a decisão judicial foi publicada em 8 de setembro: o Google e o CEO da empresa, Eric Schmidt, foram ordenados a retirar sugestões difamatórias de busca que envolvam o nome do rapaz, e devem pagar 5.000 euros de indenização.

O serviço de sugestões de busca, chamado Google Suggest, é o responsável pela saia-justa. Segundo a empresa, as sugestões são "determinadas por algoritmos baseados em vários fatores puramente objetivos", ou seja: o Google não está tentando sacanear você – é seu nome que está aparecendo demais junto a palavras difamatórias. Os robôs de busca só estão dizendo o que acham, não querem ofender ninguém.

E o cara foi mesmo condenado, em fevereiro, a três anos de prisão por corrupção de um menor, segundo a decisão judicial. O algoritmo só deve ter visto as notícias onde ele é citado, onde as palavras "condenado" e "prisão" obviamente apareciam. Bem, se o rapaz não gostou das sugestões, o Google não gostou da decisão judicial: a empresa disse que vai entrar com recurso. [RFI e Fortune]