A família de Nissim Ourfali perdeu a primeira instância de um processo contra o Google que pedia a retirada do vídeo de Bar Mitzvá, assim como a remoção de todas as imagens, da voz e do nome do garoto.

O vídeo do Bar Mitzvá de Nissim Ourfali é inegavelmente um dos grandes clássicos da internet brasileira. A letra da música cantada pelo menino, que é uma paródia de uma canção do One Direction, ficou grudada na cabeça de uma imensidão de gente e acabou nos revelando que vídeos feitos para comemorar o aniversário e 13 anos dos meninos judeus são tão comuns que existem até produtoras especializadas neles. Pegando carona na fama de Nissim, vários outros vídeos de Bar Mitzvá ficaram famosos, mas nenhum superou o de Nissim, que se tornou vital e deu origem a milhares de memes dois anos atrás.

Como se a entrada na adolescência já não fosse problemática o suficiente, Nissim se tornou conhecido no país inteiro com o vídeo — repleto de montagens que não primam pela estética apurada — no qual ele canta sobre as coisas que mais gosta de fazer. Tudo seria só uma vergonhazinha de leve lembrada nas festas da família se o pai de Nissim não tivesse postado o vídeo publicamente para que os parentes pudessem assisti-lo. Apesar de ter sido apagado pouco depois, a internet não perdoa — quando o vídeo foi tirado do ar, ele já havia sido copiado e repostado inúmeras vezes.

Assim, a família de Nissim moveu um processo contra o Google solicitando que o vídeo fosse tirado do ar, assim como qualquer publicação que usasse o nome, a voz ou a imagem do garoto. A resposta do Google foi que seria impossível fazer isso sem que os conteúdos fossem previamente localizados. O juiz Arthus Fucci Wady negou o pedido da família alegando que seria impossível encontrar e tirar do ar todas as reproduções do vídeo viralizado.

Ainda cabe recurso para a família de Nissim, mas eles terão que pagar todos os custos do processo. Enquanto isso, ainda podemos assistir a Nissim que adora ir para a praia da Baleia.

[Via O Globo]