Autoridades americanas identificaram o autor do código usado no ciberataque ao Google. Ele é um "consultor de segurança freelance" na China, e sua participação torna mais difícil para o governo chinês negar envolvimento nos ataques. Mas eles tentaram mesmo assim.

O papel do acusado não foi exatamente hackear os servidores do Google, e sim escrever o código que aproveitava uma falha de segurança do Internet Explorer — mas, segundo o Financial Times, o governo chinês tem "acesso privilegiado" ao trabalho de pesquisadores como ele. Além disso, a Shanghai Jiaotong University — uma das instituições de ensino de onde se originaram os ataques — possui um dos melhores departamentos de segurança da China, de acordo com o FT, e a rede da universidade é monitorada de perto pelo governo.



A China, no entanto, segue negando não só o envolvimento das duas universidades chinesas, como do próprio governo chinês. "Relatos de que esses ataques vieram de escolas chinesas são totalmente infundados e a acusação de envolvimento do governo chinês também é irresponsável e movida por motivos ulteriores", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China Qin Gang.

Por enquanto falta descobrir os hackers de fato, quem usou o código para realizar ataques ao Google e a outras 20 empresas. Mas o governo chinês segue suspeito. [FT e The Hill]