No início do ano, vimos uma proposta do Ministério das Comunicações para baratear os smartphones no Brasil. O que aconteceu com ela? O ministro Paulo Bernardo diz que ela vira realidade até o Natal.

O governo planeja incluir os smartphones na Lei do Bem. Foi o que aconteceu com os tablets: se fabricados no Brasil, ao menos em parte, eles recebem isenção de PIS/Cofins e redução de IPI.

Imagino que isto poderia baratear vários smartphones no Brasil: a Samsung fabrica seus celulares no país e poderia se beneficiar, por exemplo. Mas o que isto significa em termos de preço? Segundo o Terra, eis o que o ministro disse:

…nós estamos fazendo acordos com grandes fabricantes nacionais para trazer a tecnologia. (…) Com isso, nós devemos começar a produzir smartphones antes do Natal com isenção de tributo. E com isso, as empresas então falando em vender smartphone com o sistema Android, (…) na faixa de R$ 400. E uns mais simples, que não dá pra baixar aplicativo, mas que dá pra navegar no Facebook, Twitter, essas coisas, na faixa de R$ 200.

Ou seja, smartphones Android custariam a partir de R$400, enquanto dumbphones espertos partiriam dos R$200.

Segundo o G1, o governo já deu seus passos para desonerar smartphones: uma medida provisória já foi aprovada e enviada para o governo. O ministro diz que, “no ponto específico de smartphone, a presidente falou que vai sancionar”.

Então a indústria nacional será estimulada, através do governo, a levar smartphones mais baratos ao mercado. É uma iniciativa louvável, mas ela demorou a surtir efeito da última vez, quando o alvo da política eram os tablets: apesar dos incentivos fiscais, os preços dos tablets duraram a cair. Então talvez seja muito otimismo prometer preços menores para o Natal. Mas quem sabe em 2013 não seja possível comprar um Android decente a menos de R$500? [Terra e G1]