O Procon do Paraná multou, ontem, o Groupon em R$ 1,4 milhão. O site de compras coletivas que já atua no Brasil faz algum tempo ainda pode recorrer da decisão. Decisão que, aliás, não chega a ser surpreendente.

Responsável pela explosão de sites de compras coletivas que aconteceu há um ou dois anos, o Groupon é ainda o maior site do gênero do mundo — inclusive com capital aberto e presença maciça em diversos países. Mas com todo esse tamanho (ou talvez devido a esse tamanho), parece que faltam filtros para tudo o que entra em promoção no site. E isso é um problema.

Nós já mostramos o bizarro G5, um clone do iPhone que roda Android (não tente entender), sendo vendido por lá. Outros casos absurdos, como o do “HiPhone 5” colocado à venda um dia depois do anúncio do iPhone 5, ou o ainda mais surreal caso da carteirinha de estudante com desconto, são mais exemplos de como a falta de critério queima o filme do site e o deixa à mercê de ações como essa, do Procon-PR.

O órgão multou o Groupon devido ao alto número de reclamações recebidas recentemente. Entre janeiro e agosto de 2012, foram 211. Além disso, os anunciantes e o próprio Groupon demoram, segundo o Procon-PR, a responder os usuários e, não raro, os deixam sem informações. Pelo teor da declaração de Fátima Mendes dos Santos, da Divisão Jurídica do Procon-PR, há problemas no cumprimento das ofertas também:

“A conduta da empresa contraria as disposições do Código de Defesa do Consumidor, por desrespeitar vários direitos previstos na Lei, entre os quais o cumprimento das ofertas realizadas pelos fornecedores.”

A reportagem do Olhar Digital entrou em contato com o Groupon para ouvir o posicionamento da empresa, mas não obteve resposta. [Procon-PR via Olhar Digital]