A Black Friday já virou tradição no comércio brasileiro. Nesta sexta (29), ocorre mais uma edição da consagrada data de ofertas. Para aproveitar ao máximo a oportunidade de fazer compras baratas, você deve ficar atento a alguns pontos.

Saber se o preço está realmente mais baixo do que o que costuma ser praticado, conferir a reputação da loja, tomar cuidado com o preço e o prazo do frete e estar ciente de seus direitos é imprescindível para fechar bons negócios.

Para te ajudar, nós montamos um guia com o que você deve conferir antes de gastar seu precioso dinheiro por aí. Confira!

1. Organize-se e saiba o que você quer comprar

Na correria para aproveitar as melhores ofertas, você pode acabar comprando coisas quem nem queria tanto assim e terminar com grandes dívidas. Portanto, uma recomendação dada pelo Procon-SP é planejar o que você quer comprar e qual o limite que você pode gastar. Assim, você mantém o foco nas suas necessidades, o que ajuda a evitar compras por impulso.

2. Certifique-se de que o preço está mesmo baixo

Uma das maiores piadas que vemos sobre a Black Friday é a de que está tudo “pela metade do dobro”, uma brincadeira sobre o fato de algumas lojas inflarem os preços semanas antes da data e darem descontos que, na prática, não significam muita coisa. Há lojas que fazem isso, claro, mas há também boas oportunidades e grandes descontos. Saber separar o joio do trigo é fundamental.

E como fazer isso? Usar uma ferramenta de monitoramento de preços é uma ótima maneira. Praticamente todo site comparador de preços oferece um histórico dos valores praticados pelas lojas para aquele produto que você está querendo comprar. Assim, você sabe se está barato mesmo ou se aquele desconto é comum em outros períodos do ano.

O Zoom e o Buscapé — que estão com interfaces praticamente idênticas depois de o primeiro ter comprado o segundo — têm essa ferramenta. Basta clicar no gráfico que aparece logo abaixo do produto.

O JáCotei oferece o mesmo recurso — basta clicar em “Gráfico de Preços” para saber como o preço mínimo e também o máximo oscilaram nos últimos meses.

 O Baixou, nosso parceiro no Gizmodo Ofertas, também tem seu gráfico. Basta procurar o produto que você quer comprar e ele aparece logo de cara, com destaque para o valor mínimo.

E, instalando a extensão Gizmodo Ofertas, você tem acesso fácil a comparação e histórico de preços ao acessar qualquer produto das lojas online monitoradas.

3. Verifique se a loja é confiável

Infelizmente, há casos em que uma simples compra pela internet pode se tornar uma grande dor de cabeça. Há lojas que não entregam os produtos ou que dificultam a vida do cliente na hora de cancelar um pedido e devolver o valor pago. Saber identificá-las é crucial.

Dê uma olhada no Reclame Aqui

Um dos melhores métodos é checar sites de reclamações. O Reclame Aqui é possivelmente o mais famoso deles. Além de ajudar consumidores que precisam de respostas das empresas — e muitas, você sabe, só respondem no caso de exposição pública — o site também agrega os vários casos e mostra, em números, como uma empresa lida com os problemas.

Vale a pena conferir a reputação mesmo das lojas mais famosas — às vezes, os problemas são recentes, e você pode sofrer com os problemas.

Preste atenção ao comprar em marketplaces

Já faz uns bons anos que grandes marcas do varejo brasileiro atuam como marketplaces, plataformas para lojistas colocarem seus produtos à venda. Portanto, é preciso ficar atento a isso também.

Verifique de que loja você está realmente comprando. Os sites costumam permitir que consumidores avaliem os estabelecimentos com quem fizeram negócios anteriormente — é um ótimo jeito de conferir se a loja é mesmo boa e evitar que aquela promoção se torne um problemão.

Consulte a lista do Procon

Outra forma de consultar se uma loja é confiável é conferir na Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor, o famoso Procon. A entidade disponibiliza uma lista de sites que devem ser evitados, pois não responderam notificações ou seus responsáveis não foram encontrados.

4. Cuidado com golpes

Muitos criminosos clonam sites de lojas confiáveis para aplicar golpes. Essa é uma dica que vale para o ano todo, não só para a Black Friday, mas vale ressaltar mais uma vez. Em um dia com tantas promoções e alguma correria para aproveitar as ofertas, fica mais fácil se descuidar e acabar sendo vítima de uma armação.

Ao comprar em uma loja online, verifique o endereço na barra de seu navegador. Se você achar estranho, abra outra aba, jogue aquela loja online no Google, entre nela, procure o mesmo produto. Também vale conferir se o ícone de cadeadinho está aparecendo do lado do endereço — se estiver a mensagem “Não seguro”, caia fora.

Nessa época do ano, também é necessário redobrar o cuidado com promoções recebidas por e-mail. Muitos agentes mal-intencionados aproveitam a animação das pessoas para criar mensagens falsas com preços chamativos e dar golpes.

5. Verifique o frete

O Natal está chegando, e muita gente aproveita as promoções para comprar os presentinhos da família e dos amigos. Só que, com mais demanda, muitas lojas pedem mais prazo para entregar, o que pode acabar atrasando a chegada do Papai Noel na sua casa. Tome cuidado com isso — ou converse com sua família e avise que os presentes vão atrasar, para ninguém ficar triste.

Também vale, claro, ficar atento aos valores. Se o valor do frete estiver caro demais, talvez um produto com o preço um pouco maior e um frete menor saia mais barato, no fim das contas.

6. Conheça seus direitos

Black Friday não é vale tudo. Não é porque as lojas abaixaram seus preços que seus direitos de consumidor deixaram de valer. Como o Procon destaca, todo o Código de Defesa do Consumidor se aplica às promoções. O direito ao arrependimento por sete dias, por exemplo, se aplica do mesmo jeito, bem como a opção de agendar entrega.

A entidade também fará plantão especial de atendimento para tirar dúvidas e ajudar a resolver problemas — veja no site os horários e meios de atendimento.