Um adolescente de Melbourne, na Austrália, está enfrentando acusações criminais depois de ter supostamente hackeado a rede de computadores seguros da Apple diversas vezes. O garoto, que não teve seu nome revelado, se declarou culpado das acusações.

O advogado do adolescente explicou a um tribunal da infância nesta quinta-feira (16) que o garoto fez isso “porque é um grande fã” da Apple, segundo o jornal australiano The Age, de Melbourne.

• Apple Pay ganha suporte aos cartões do Bradesco e Banco do Brasil
• Apple garante que não está ouvindo secretamente as suas conversas

O hacker adolescente, que supostamente frequenta uma escola particular e operava de uma casa nos subúrbios, não teve seu nome revelado. Segundo o The Age, a Apple denunciou o adolescente ao FBI depois de detectar acesso externo, e autoridades norte-americanas então alertaram a Polícia Federal da Austrália, que obteve um mandado de busca e apreensão para a casa da família do invasor no ano passado. Os investigadores encontraram provas de suas invasões em uma pasta chamada “hacky hack hack”.

Depois da repercussão da invasão, a Apple tentou tranquilizar os usuários, dizendo que nenhum dado de consumidor foi violado nos ataques, segundo a Reuters. No entanto, como aponta o The Next Web, isso contraria o que o advogado disse sobre seu cliente ter acessado as contas de consumidores.

Um promotor presente na audiência do garoto teria afirmado que a polícia descobriu dois notebooks da Apple na casa do adolescente com vários números de série que batiam com os dispositivos que haviam acessado a rede da empresa. Um disco rígido e um smartphone apreendidos também aparentemente continham um endereço de IP que combinava com o da invasão. O adolescente teria falado sobre suas invasões a outras pessoas no WhatsApp.

As autoridades acreditam que o garoto tenha começado a hackear aos 16 anos. Ele teria acessado contas de consumidores e baixado 90GB de arquivos delicados.

A Apple não respondeu a um pedido do Gizmodo por comentários. Em uma audiência nesta quinta, um promotor disse que a empresa foi “muito sensível sobre a publicidade” do caso, segundo o The Age.

O jornal relata que o adolescente disse às autoridades que havia “sonhado” em ser um funcionário da Apple. Seu advogado pediu que muitos dos detalhes do caso se mantivesse privados, porque o adolescente é bastante conhecido na comunidade hacker, e divulgar informações identificáveis poderia colocá-lo em risco.

[The Age]

Imagem do topo: Getty