[Hands-on] Windows 10: olá, menu Iniciar!

A Microsoft oficializou hoje a nova versão do seu sistema operacional, o Windows 10. Testamos rapidamente; confira nossas primeiras impressões.

É oficial: o Windows 10 está a caminho. É a versão do Windows para comandar todas as outras, um único sistema operacional para PCs, smartphones e tablets que será lançado em 2015. Mas você não liga para nada disso. Só quer saber do menu Iniciar.

LEIA MAIS: Os primeiros detalhes oficiais do Windows 10, próximo sistema operacional da Microsoft

Ele está aqui!

Sim, definitivamente isso é um menu Iniciar. O que ele pode fazer? Basicamente tudo o que o amado menu Iniciar do Windows 7 fazia, além dos blocos dinâmicos com informações úteis do Windows 8 à direita.

Você pode fazer buscas universais:

Redimensionar ou reorganizar seu campo de blocos dinâmicos:

E estender toda a interface do menu Iniciar:

Mas o mais impressionante é que o retorno do menu Iniciar é apenas uma das novidades do mais recente sistema operacional da Microsoft. Lembra quando o Windows 7 nos impressionou permitindo posicionar janelas ao movê-las pelos lados da tela? No Windows 10, o Snap Fill e o Snap Assist fazem esse recurso ficar ainda melhor.

Se você mover, digamos, o calendário para a esquerda, não apenas ele será responsivamente redimensionado para um tamanho mais indicado para a posição…

… como você também pode simplesmente mover qualquer outra janela no espaço vazio na sua área de trabalho para que ele ocupe todo aquele espaço, se aproveitando de tudo o que a sua tela oferece. Esse é o Snap Fill.

Enquanto isso, o Snap Assist ficará na espera, pacientemente aguardando o momento em que você tenta posicionar um dos apps nos cantos da tela e então ele automaticamente sugerirá que você preencha o restante do espaço da sua área de trabalho com outros dos seus apps abertos! Ajudará bastante a economizar algum tempo.

Segure a tecla Windows e aperte Tab, e você conseguirá ver todos os seus apps de uma vez, assim como suas áreas de trabalho diferentes no canto inferior da tela (não pudemos abrir apps de desktops diferentes, no entanto, o que é chato, mas esperamos que a Microsoft conserte isso até o lançamento).

Além disso, o Windows 10 consegue rodar nativamente apps de desktops remotos – não apenas do seu PC físico – e ainda lembra quais deles rodam a partir da nuvem com essas pequenas barras cinzas abaixo dos ícones relevantes.

Uma das muitas coisas que não pudemos fotografar foi a nova barra de Charms voltada para touchscreens. Joe Belfiore, da Microsoft, demonstrou no palco que ela ainda existe, mas ela não estava presente na versão do Windows 10 que testamos. Um representante da Microsoft nos disse que a barra de Charms não aparecerá a não ser que você use uma touchscreen, e até a Microsoft espera que desenvolvedores de apps criem botões próprios para touchscreens em vez de usar o menu global.

Também não vimos o modo conceitual de tablet, chamado Continuum, que pode permitir que os dispositivos com Windows 10 mudem a interface quando detectarem um teclado. Belfiore mostrou um vídeo no palco, mas o modo não estava presente na versão que testamos.

Sair da versão mobile